quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

SOBRE A "METAFÍSICA MILITAR"


O presidente americano Dwight Eisenhower em 1961
 "Devemos nos guardar contra a influência do complexo militar-industrial. O potencial para o desastroso crescimento de um poder incontrolado existe e persiste. Não devemos nunca deixar o peso dessa combinação ameaçar nossas liberdades ou o processo democrático. E não devemos tomar nada como garantido"
Presidente Eisenhower 

No seu discurso de despedida em 17 de janeiro de 1961, o presidente americano Dwight Eisenhower alertou que a “fusão” dos interesses das Forças Armadas e das grandes corporações – que ele chamou de “complexo militar-industrial” – era uma grave ameaça à democracia. A advertência não vinha de um pacifista babão ou romântico: “Ike” era general do Exército e havia sido comandante-em-chefe das forças aliadas na Segunda Guerra Mundial. Por isso mesmo, ele sabia das conseqüências de uma nova guerra – embora nos oito anos em que passou na Casa Branca (1953-1961) a corrida armamentista só tenha crescido. Em 1952, quando Ike foi eleito, os EUA tinham 1000 ogivas nucleares; em 1961, quando ele passou a tocha para John Kennedy, elas já eram 24 mil – uma prova que o missile gap (déficit de mísseis) americano em relação à União Soviética era uma balela para justificar gastos com a Defesa. O orçamento do Pentágono no governo Eisenhower chegou a 50% dos gastos federais (10% do PIB). Talvez por isso, cinqüenta anos depois a profecia de Eisenhower tornou-se auto-realizável: o orçamento do Pentágono mais que dobrou nos últimos dez anos, atingindo a cifra fabulosa de US$ 700 bilhões/ano e os EUA estão envolvidos em duas guerras (Iraque e Afeganistão). Pior: como na Guerra Fria e na Guerra do Vietnã, as exigências de “segurança nacional” são o pretexto para a violação de direitos humanos. Antes eram o financiamento e/ou a execução de golpes de Estado em países do Terceiro mundo e os bombardeios a civis no Camboja e no Vietnã. Hoje, são as torturas de Abhu Grabi, as prisões de Guantánamo e as ações ilegais contra cidadãos americanos e estrangeiros em nome da "guerra contra o terror".

“Os americanos não tinham intenção de escolher entre canhões e manteiga: eles queriam ambos. O keynesianismo militar – a crença de que a produção de armas poderia subscrever um interminável fornecimento de manteiga – vivia seu apogeu”, escreveu a revista The Atlantic, da Universidade de Columbia. O próprio governo Eisenhower deu ênfase a essa visão, segundo a qual grandes investimentos na defesa funcionariam como um programa de estímulo permanente à economia, como mostrava a experiência da Segunda Guerra Mundial. E, de fato, na década de 1950 se construíam bombardeiros e escolas, frotas de barcos de guerra e casas que se espalhavam pelos subúrbios americanos.

As agências de inteligência americanas
Continua a Atlantic: “Nas cinco décadas desde que Eisenhower deixou a Casa Branca [...] muita coisa mudou. A União Soviética desapareceu – como também o comunismo, ao menos para efeitos práticos. Mas em Washington, continua a prevalecer uma aura de ‘crise que nunca termina’ – a metafísica militar. O Estado de segurança nacional continua a crescer em tamanho, escopo e influência. Nos dias de ‘Ike’, por exemplo, a CIA dominava do campo da inteligência. Hoje, especialistas se referem à ‘comunidade de inteligência’ que consiste de 17 agências. [...] Em julho, o jornal Washington Post afirmou que essa comunidade ‘se tornou tão grande, tão pesada e tão secreta que ninguém sabe quanto ela custa, quantas pessoas ela emprega, quantos programas existem ou exatamente quantas agências fazem o mesmo trabalho’. Depois da reportagem, funcionários rasgaram o véu do segredo e revelaram que os gastos com a inteligência superam US$ 80 bilhões ao ano, substancialmente maiores do que o orçamento do Departamento de Estado (US$ 49 bilhões) e o do Departamento de Segurança Interna (US$ 43 bilhões).”


Um F-18 Hornet sobrevoa o porta-aviões USS Nimitz
 “Na época de Ike, a competição com a União Soviética fornecia a rationale para grandes gastos com a defesa. Hoje, com nenhum inimigo remotamente comparável à mão, os devotos da metafísica militar conjuram uma variedade de argumentos para justificar as demandas orçamentárias do Pentágono. Um deles, geralmente de olho na China, é que o gasto excessivo em defesa irá dissuadir qualquer candidato a concorrer com o predomínio dos EUA. Um segundo argumento transforma modestas ameaças em ameaças existenciais, com a mera existência de Mahmoud Ahmadinejad ou Obama Bin Laden, obrigando a esforços extraordinários até que os EUA eliminem o último meliante – um dia que nunca chega.”

[...]

Crise econômica implodiu o chamado "keynesianismo militar" 
"E com qual resultado? Não há paz nem prosperidade. Em vez disso, soldados americanos vagam exaustos de um conflito a outro enquanto a nação como um todo sofre com a aguda crise econômica. O que deu errado? No rastro de 11 de setembro, quando a administração George W. Bush levou os EUA a realizarem a guerra global ao terror, havia plena confiança de que os militares americanos poderiam ganhar o conflito facilmente. Eventos como Iraque e Afeganistão destruíram tal expectativa. A irrefutável lição da última década é essa: nós sabemos como começar as guerras, mas não sabemos como terminá-las. Durante a bem-armada era Eisenhower, as armas americanas ficaram praticamente em silêncio. Hoje, o engajamento em hostilidades tornou-se o padrão de normalidade, exigindo um preço exorbitante. As guerras do Iraque e do Afeganistão custaram pelo menos US$ 1 trilhão – e o medidor continua funcionando.”

[...]

“Além disso, o keynesianismo militar revelou-se um fracasso. Em contraste com os anos 1950, a extravagância militar está esgotando em vez de aumentar a riqueza da nação. Na era Eisenhower, os Estados Unidos, uma nação credora, produzia domesticamente os bens essenciais que definiam o american way of life – tudo desde carros a televisores. Hoje, nós importamos muito mais do que exportamos, com uma dívida crescente como resultado. Nos anos 1950 nós tínhamos mais paz; hoje nós estamos frequentemente em guerra.”

“Graças aos seus aliados e cúmplices, o complexo militar-industrial-legislativo de guerra continua teimosamente resistente à mudança – um fato o presidente Barack Obama se aprendeu durante seu primeiro ano no cargo. Ao analisar a política de seu governo no Afeganistão, o presidente pediu várias vezes uma série de alternativas políticas. Ele queria opções. De acordo com Bob Woodward, do Washington Post, no entanto, o Pentágono ofereceu a Obama um único caminho – o aumento de tropas pedido por McChrystal. Como relatado no livro de Woodward, Obama’s War, o presidente queixou-se: “Então, qual é a minha opção? Você me deu apenas uma opção?”

[...]

“Ike dificilmente seria surpreendido – ele reservaria seu desapontamento para o povo americano. Meio século depois de ele nos ter chamado a assumir as responsabilidades da cidadania, nós ainda nos recusamos a fazê-lo. E, em Washington, a metafísica militar continua sacrossanta [...].”

Discurso do presidente Eisenhower 17/01/1961
http://www.youtube.com/watch?v=8y06NSBBRtY

Um comentário:

  1. Depois de longa e exaustiva reunião com minha webdesigner (minha filha), onde fui obrigado a me impor, fazendo valer a minha vontade, sim... sim... sim..., ela resolveu, digo, resolvemos, manter o blog: HTTP://REABILITEOCREDITO.BLOGSPOT.COM, espaço virtual destinado a orientar profissionais e pessoas que tem restrições nos órgãos de proteção ao crédito (SPC, SERASA, SISBACEN, EQUIFAX, etc.), orientando nos procedimentos que devem ser tomados para resolver o “problema”, os interessados poderão postar o seu problema e nós responderemos sempre de acordo com o que nos for perguntado. Os seguidores ou visitantes ocasionais do blog poderão se quiserem, nos auxiliar a encontrar o melhor caminho.

    As postagens que estavam sendo feitas nos blog: http://coutoviana.blogspot.com (Direito Penal) e http://ramosdodireito.blogspot.com (Artigos doutrinários e postagens jurídicas), passaram a ser postados no blog: HTTP://OSRAMOSDODIREITO.BLOGSPOT.COM, para o qual, peço que meus amigos migrem, ou seja, aqueles que se cadastraram nos outros blogs, se inscrevam no novo blog.

    Às mulheres em geral mantenho o convite para visitarem o blog destinado principalmente a vocês, independentemente da profissão que exerçam, assim não deixem de clicar em HTTP://PRODUTINHOSNOCABELO.BLOGSPOT.COM tenho certeza de que encontrarão sempre algo novo que as deixarão ainda mais bonitas... por fora, porque por dentro já o são.

    FELIZ - 2011

    ResponderExcluir