quinta-feira, 30 de agosto de 2012

QUANDO A VÍTIMA É CULPADA

O cidadão anônimo contra os tanques: que fim levou?

 Em junho de 1989, correu mundo a foto de um cidadão que se colocou à frente dos tanques do Exército chinês que rumavam à Praça da Paz Celestial em Pequim para reprimir as manifestações estudantis contra o regime comunista. Nunca se soube quem era o rebelde desconhecido, nem seu destino. Surgiram muitas teorias; alguns disseram que ele teria sido morto pela polícia, ao lado dos outros milhares de estudantes assassinados durante aquele episódio que ficaria conhecido como o “Massacre da Paz Celestial”. Outras versões dizem que o rebelde sem rosto teria sido executado dias após o incidente; ou fuzilado meses depois do protesto. Há quem diga ainda que ele está vivo, escondido no interior da China ou em Taiwan. A verdade não veio à tona até hoje, mas aquela imagem se tornou uma das mais icônicas do sangrento século XX.

Rachel contra o bulldozer: o motorista foi pior que o tanquista chinês   
Mas há outra imagem igualmente dramática e com final trágico que não teve a mesma divulgação na grande mídia. Trata-se da militante pacifista americana Rachel Corrie, que em 2003, aos 23 anos, foi para Israel protestar contra a demolição de casas de palestinos expulsos pelas chamadas Forças de Defesa de Israel – nome das Forças Armadas do país. Na Faixa de Gaza, ela se colocou na frente de um trator bulldozer que trabalhava na demolição das casas. Mas, ao contrário do tanquista chinês, o motorista do buldozer não parou; ele não apenas atropelou deliberadamente a militante, como deu marcha à ré para passar sobre seu corpo novamente.  

Rachel Corrie
No último dia 27, a Justiça israelense deu seu veredicto: ela decidiu que o militar que dirigia o bulldozer não teve culpa, nem comportamento negligente. O tribunal inclusive sugeriu que Rachel foi a culpada por sua morte. Essa situação mostra que, sob a liderança de Netanyahu e Lieberman, Israel jogou na lata do lixo o legado do humanismo judeu. A exceção ficou por conta do grupo Jewish Voice, formado por judeus democratas que se opõem à política de repressão israelense ao povo palestino. Eles iniciaram uma campanha para que os investidores americanos vendam ações da Caterpillar, a fabricante dos tratores usados pelo Exército israelense para demolição casas e edifícios palestinos. Não dará em nada, mas é um gesto digno de inconformismo. É o que resta.  



quarta-feira, 29 de agosto de 2012

(MAIS UMA) CHANCE À PAZ NA COLÔMBIA

O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos

O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, anunciou que seu governo iniciará conversações com representantes das FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), o principal grupo guerrilheiro do país. O processo ocorrerá em Oslo (Noruega) e terá a mediação dos governos da Venezuela, Cuba e Noruega. Trata-se de mais uma tentativa de pôr fim a um conflito de décadas e matou mais de 300 mil colombianos.

O Bogotazo, em 1948
Ao contrário do que alardeia a grande mídia, mais preocupada em propagar rótulos e visões maniqueístas, a origem desse conflito é a brutal concentração de propriedade da terra e a conseqüente desigualdade social. O assassinato do político reformista Jorge Eliécer Gaitán, em abril de 1948, provocou violentas manifestações populares que ficaram conhecidas como o Bogotazo, em que milhares de pessoas morreram. Abriu-se um período de guerra civil no campo – conhecido como La Violência – entre os partidários dos partidos Liberal e Conservador. Em uma década, cerca de 200 mil colombianos foram mortos. A disputa por terras era o leitmotiv da violência. Esse período encerrou-se em 1958, quando os dois partidos fizeram um acordo para acabar com os conflitos, mas deixaram a questão agrária sem solução. Em 1964, o Partido Comunista da Venezuela fundou as FARC aglutinando camponeses antes ligados ao Partido Liberal.

Guerrilheiros das Farc
A história das FARC é tortuosa. No início, eles foram uma guerrilha camponesa clássica, engajada em combates na selva e na conquista de territórios. Militarmente, eles eram uma miscelânea heterodoxa das práticas de Che Guevara e de Mao Tsé-tung, embora jamais admitissem isso. As FARC chegaram a controlar cerca 40% do território colombiano, a maioria na região amazônica, e a ter um contingente de 17 mil homens (e mulheres) em armas. Suas ações fizeram surgir os grupos paramilitares de extrema-direita, ligados aos proprietários de terras e ao narcotráfico e treinados pelo Exército. Eram esquadrões da morte que realizavam verdadeiros experimentos de “limpeza social”, eliminando camponeses e roubando suas terras para realizar projetos agroindustriais para lavar o dinheiro do narcotráfico. Neste contexto, a violência só tendia a crescer.

O envolvimento das FARC com o narcotráfico, portanto, não é constitutivo do movimento, mas decorrência do domínio dessa atividade ilegal na economia colombiana. No início, os guerrilheiros davam proteção a camponeses que eram ameaçados pelos paramilitares. Depois, passaram a proteger os trabalhadores que cultivavam drogas para vendê-las aos traficantes. A guerrilha então deu o passo fatal e entrou no negócio para arrecadar fundos pensando que tinha meios de manter o controle. Acabou sendo engolida por ele. Essa aliança com os narcos e prática de seqüestros para extorquir dinheiro fez da organização um grupo bandoleiro.
Militantes da Unión Patriótica assassinados

A aposta do governo colombiano agora em negociar o fim dos conflitos é ousada. Até porque já houve outras, no passado, que fracassaram rotundamente. A mais dramática foi primeira, nos anos 1980, afogada em fogo e sangue. As FARC tinham concordado em depor as armas se transformar em partido político, a Unión Patriótica (UP). A UP teve grandes vitórias, encerrando o domínio dos liberais e conservadores e conquistando mais de 300 prefeituras, dez cadeiras no Senado e mais de 50 cadeiras na Câmara. Mas o candidato da UP a presidente, Jaime Pardo Leal, foi morto a tiros em um comício. Menos de um ano depois, as elites, os barões da droga e o Exército, com apoio dos EUA, desencadearam uma guerra contra a UP e assassinaram mais da metade dos deputados e prefeitos eleitos. No total, três mil militantes foram massacrados. Acuadas, as FARC tiveram que reorientar sua política e voltar às selvas.

O Estado-Maior das Farc, com Mono Johoy e Marulanda (Tirofijo)
Na tentativa mais recente, em 1999, o governo desmilitarizou uma área de 42 mil km², interrompeu as operações militares e iniciou conversações. Desta vez a guerrilha não aproveitou a chance e as negociações fracassaram. Veio então o Plano Colômbia e depois o governo de Álvaro Uribe, um tipo ligado aos paramilitares que apostou na repressão sem tréguas à guerrilha. As FARC foram enfraquecidas – vários líderes foram assassinados – mas não vencidas. Agora o presidente Santos, antigo pupilo de Uribe – foi seu ministro da Defesa, responsável pela repressão –, joga a carta da negociação. Uribe já saiu rosnando. Mas, desta vez, parece que todos - governo e guerrilha - têm interesse em chegar a um acordo. Consta que o governo estaria disposto até a iniciar uma reforma agrária - o que acabaria com a causa maior do conflito. E, por mais que Uribe esperneie, já está demonstrado que a guerrilha, golpeada, não consegue avançar, mas tampouco o Exército consegue dizimá-la. Alea jact est!  

O QUE DIRIA EISENHOWER?


Deu no New York Times:

Caças F-16 Fighting Falcon 
Em 2011, em que pese ainda sentirem os efeitos da crise econômica mundial, os Estados Unidos bateram o recorde de venda de armas ao exterior, atingindo US$ 66,3 bilhões, valor três vezes maior do que o alcançado no ano anterior (US$ 21,4 bilhões). Esta soma representa nada menos que 2/3 do total mundial de 2011 – US$ 85,3 bilhões. A Rússia vem num distante segundo lugar, com meros US$ 4,8 bilhões em vendas.

Caças F-15 Eagle sobrevoam o céu da Arábia Saudita
A maior parte das vendas de armas americanas destinou-se aos países do Golfo Pérsico (Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Omã), que estão preocupados com o aumento de tensão entre Israel e Irã. Os Estados do Golfo temem serem atacados pelo Irã em caso de conflito, pois eles são fiéis aliados dos EUA na região.(Será mera coincidência o alarmismo da grande mídia em relação ao “perigo iraniano”?). Esses países compraram caríssimos caças e helicópteros ultramodernos, além de sofisticados sistemas de defesa antimísseis.

Helicóptero Black Hawk
De acordo com o Times, a Arábia Saudita comprou 84 caças F-15, dezenas de helicópteros Black Hawk e Apache, sistema de mísseis e logística, além de modernizar 70 caças F-15, gastando a bagatela de US$ 33,4 bilhões. Os Emirados compraram um escudo antimísseis e 16 helicópteros Chinook por US$ 939 milhões e Omã comprou 18 caças F-16 por US$ 1,4 bilhão.

Nenhuma surpresa. A produção e venda de armas é essencial ao império americano. Um pouco de história:

Em 17 de janeiro de 1961, no seu discurso de despedida, o presidente americano Dwight Eisenhower alertou seus compatriotas sobre as graves implicações de um novo fenômeno na história americana: “a conjunção de um imenso establishment militar e uma grande indústria de armamentos”, que ele denominou “Complexo Industrial-Militar”. Os gastos militares daquela época, dizia Eisenhower, consumiam “mais do que o lucro líquido de todas as corporações dos Estados Unidos”. Com essa dinherama à disposição do Complexo Militar Industrial, o presidente alertava contra uma influência negativa sobre a sociedade americana que ia além da esfera econômica e política e atingia até a dimensão espiritual.

O presidente Eisenhower adverte contra o "Complexo Militar-Industrial"
Eisenhower era militar; ele foi o grande herói americano da II Guerra Mundial. Seus sucessores, todos civis, a começar por John Kennedy, só fizeram aumentar os gastos militares dos EUA e a alimentar o Complexo Militar Industrial. Um filme idiota, JFK, de Oliver Stone, tenta dizer que Kennedy foi assassinado, entre outras coisas, porque contrariou os interesses do “complexo”. Trata-se de uma ignorância histórica completa do período, já que Kennedy fez campanha falando de um inexistente “gap missile” dos EUA em relação à URSS. No poder, ele investiu pesadamente na modernização e ampliação do arsenal nuclear americano.    

Além do fato de uma advertência daquele tipo ter partido  de um presidente com origem militar, o alerta de “Ike” chama atenção também porque, na época, mundo vivia o auge da Guerra Fria e os EUA se sentiam ameaçados pela União Soviética, que tinha capacidade semelhante à dos americanos de destruir o mundo várias vezes com seu arsenal nuclear.
Cinqüenta anos depois e 20 anos após o fim da Guerra Fria e o colapso da União Soviética, os gastos dos EUA com despesas militares mais do que dobraram em relação ao período que Eisenhower pronunciou seu discurso.

Aqui, o discurso de Eisenhower:

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

O BOM COMBATE DA FEB

Navio Tutóia torpedeado por submarino alemão

Há 70 anos, no dia 22 de agosto de 1942, o Brasil declarava guerra às potências do Eixo (Alemanha, Itália e Japão). Com isso, o país se tornaria a única nação latino-americana – ao lado do México – a engajar tropas ao lado dos aliados. A declaração de guerra veio depois que submarinos alemães e italianos torpedearam vários navios mercantes na costa brasileira e na costa americana, matando mais de mil pessoas, a maioria civis.

No início do conflito, Getúlio Vargas tentou manter a neutralidade do país, tanto em função das facções que compunham o governo – germanófilos e americanófilos – quanto em razão dos interesses econômicos, pois exportávamos matérias primas (café e borracha) para os EUA e para a Alemanha. Mas os Estados Unidos, que ajudavam os britânicos antes mesmo de entrar na guerra, pressionavam o Brasil para abandonar a neutralidade, pois precisavam de materiais estratégicos e da autorização para construir instalações militares no Nordeste brasileiro. Pragmático, Vargas topou o alinhamento, obtendo em troca dos americanos o financiamento para a construção da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) e o reequipamento das Forças Armadas.

Em 1940, por iniciativa de Washington, os países latino-americanos assinaram em Havana um termo de solidariedade continental em caso de agressão externa a qualquer país do continente. O presidente Franklin Roosevelt incentivou a assinatura de vários acordos com o Brasil e iniciou uma campanha ideológica contra a presença alemã no continente americano. O governo brasileiro chegou a fechar escolas e a confiscar estabelecimentos alemães e italianos. Depois do ataque do Japão à base americana de Pearl Harbour, em dezembro de 1941, o alinhamento do Brasil aos EUA se tornou inevitável. Em janeiro de 1942, na Reunião dos Chanceleres do Rio de Janeiro, o Brasil rompeu relações diplomáticas com os países do Eixo. Estava dado o pretexto para que alemães e italianos começassem a torpedear navios brasileiros.

Manifestação pela entrado do Brasil na guerra 
Mas a declaração de guerra não pode ser entendida apenas do ponto de vista do xadrez geopolítico. Houve pressão popular para que o Brasil entrasse no conflito contra o nazi-fascismo. A população enfrentava restrições impostas pela guerra, com racionamento de vários produtos. Sob a liderança de entidades civis como a UNE (União Nacional dos Estudantes), foram organizadas grandes manifestações em favor da declaração de guerra ao Eixo. E é preciso lembrar que vivíamos, então, sob o tacão do Estado Novo. As manifestações, inclusive, levaram à queda do temido chefe de polícia do regime, o capitão Filinto Müller – um dos germanófilos no governo e uma espécie de Sérgio Paranhos Fleury avant la lettre.

E os pracinhas fizeram bonito. A Força Expedicionária Brasileira (FEB) enviou um contingente de 25 mil soldados para lutar na Itália, incluindo os pilotos do 1º Grupo de Aviação de Caça da FAB (Força Aérea Brasileira). Despreparados, mal equipados e mal treinados, os pracinhas foram objeto de zombaria das tropas do V Exército americano, ao qual estavam integrados. Diziam que brasileiros lutando na guerra era como se a cobra fumasse. E a cobra fumou! A despeito de tudo isso, a FEB mostrou-se valorosa, superando as dificuldades, travando e vencendo batalhas importantes, como Monte Castello e Montese. Os brasileiros aprisionaram quase 20 mil alemães. Quase 500 pracinhas tombaram nos campos de batalha italianos.
Soldados da FEB lutando na Itália

E tem muita viúva da ditadura que quer emporcalhar esse legado heróico de luta contra o nazi-fascismo das Forças Armadas brasileiras defendendo facínoras como o coronel Brilhante Ustra, o brigadeiro João Paulo Burnier, o major Curió, entre outros, sem falar dos generais-presidentes. São dois exércitos diferentes.       

Este vídeo americano, que enaltece a aliança entre o Brasil e os EUA contra o Eixo, é pura propaganda, mas tem imagens muito boas.

O EQUILÍBRIO DO TERROR É MELHOR QUE O TERROR SOZINHO

Kenneth Watz

Nesta entrevista reproduzida abaixo, o veterano cientista político Kenneth Waltz defende o direito de o Irã ter a bomba atômica - já que Israel tem a sua - e diz que o equilíbrio do terror entre EUA e URSS e Índia e Paquistão conseguiu reduzir o perigo de grandes conflitos. Numa análise fria e pragmática, ele não invoca qualquer questão moral para sustentar sua posição, mas ampara-se em conceitos geopolíticos de equilíbrio do poder, como um bom representante da escola realista - neorrealista, no caso - de relações internacionais e um legítimo herdeiro de mestres como Edward H. Carr, Hans Morgenthau e George Kennan.

Kenneth Waltz e “porque o Irã deve ter a bomba”
Do The Diplomat
Kenneth Waltz conversa com Zachary Keck sobre seu controverso artigo na Foreign Affairs, ”Why Iran Should Get the Bomb”, sobre a China, os problemas entre Índia-Paquistão, terrorismo e mais.
Ao longo dos anos você entrou no debate político em apenas algumas ocasiões de sua escolha, como nas críticas à guerra dos Estados Unidos no Vietnã. Isso me leva a perguntar: o que o fez escrever sobre a questão nuclear iraniana?
Pensei que era uma questão importante que não estava sendo discutida adequadamente. A questão estava sendo definida de forma estreita, em termos do Irã. Mas há outras lições importantes além do país e da região que precisam ser consideradas e que podem ser aplicadas ao caso do Irã. Eu estava interessado no que poderia contribuir neste aspecto do debate. Mas fiz isso principalmente porque a [revista] Foreign Affairs pediu.
Os formuladores de política trabalham da perspectiva de seus próprios interesses nacionais. Como você nota no artigo para a Foreign Affairs, Israel obtém benefícios substanciais com seu monopólio nuclear regional e um Irã nuclearmente armado reduziria significativamente a liberdade de ação de Israel e dos Estados Unidos na região. Qual é o incentivo para que formuladores de política israelenses e norte-americanos evitem que o Irã obtenha armas nucleares?
O míssil balístico Jerico III: só Israel pode?
Claramente Israel tem um grande interesse em evitar que o Irã se torne um estado nuclear. Não acho que o mesmo se aplique aos Estados Unidos. O interesse norte-americano de longo prazo é que a região seja estável e pacífica. A existência de um único poder nuclear sem equilíbrio é receita para instabilidade a longo prazo. O dado impressionante é que Israel tenha conseguido se manter o único poder nuclear por tanto tempo! Neste sentido, Israel é uma anomalia. A anomalia será removida se o Irã se tornar um poder nuclear.
Quando o governo Obama assumiu o poder, muitos ofereceram a visita de Nixon à China como um modelo que o presidente Obama poderia seguir para acabar com a natureza contraditória das relações Estados Unidos-Irã. Não se disse, no entanto, que a reaproximação sino-estadunidense ocorreu depois que a China obteve disuassão nuclear confiável (embora não necessariamente por causa disso). Poderia a conquista de uma arma nuclear pelo Irã tornar a reaproximação com os Estados Unidos  mais provável no futuro?
Não sei se seria uma reaproximação genuína. Mas penso que, como aconteceu com outros países nucleares que temíamos originalmente, os Estados Unidos virão a aceitar o Irã como um estado nuclear, refletindo um padrão bem estabelecido. Nós nos opomos a qualquer estado do qual não gostamos e desconfiamos quando ele se torna nuclear. Quando isso acontece, não temos escolha a não ser viver com isso. Então poderemos ter uma relação muito mais calma com o Irã do que temos agora.
Você frequentemente aponta para a relação Índia-Paquistão como exemplo de onde a introdução de armas nucleares estabilizou uma relação antes inclinada para a guerra. Alguns leitores do Diplomat na Índia devem se perguntar se tiraram alguma vantagem disso. Embora nenhuma grande guerra tenha sido iniciada desde os testes nucleares de 1998, grupos terroristas paquistaneses promoveram uma série de ataques dentro da Índia, aos quais Nova Delhi teve dificuldade para responder por causa do poder dissuasório nuclear de Islamabad. Dado que o tamanho da população e da economia da Índia fazem dela um poder militar convencional muito maior, Islamabad não se conteria mais se os dois poderes não tivessem armas nucleares?
Com a bomba, paquistaneses e indianos ficam só na ameaça 
A Índia naturalmente não queria que o Paquistão se tornasse um estado nuclear. Um segundo estado nuclear naturalmente prejudica o primeiro. É difícil imaginar um estado nuclear aceitando facilmente ou graciosamente que seu adversário se torne nuclear. Mas certamente, a longo prazo, as armas nucleares significaram paz no subcontinente. Isso em grande contraste com as expectativas da maioria das pessoas. Abundaram declarações de especialistas, acadêmicos e jornalistas sugerindo que as armas nucleares significariam guerra no subcontinente. Todos estes especialistas negaram que o relacionamento entre a Índia e o Paquistão poderia vir a ser parecido com o que houve entre Estados Unidos e União Soviética. Quando dois países tem armas nucleares se torna impossível para qualquer deles atacar os interesses manifestadamente vitais do outro. Ainda é possível, no entanto, que estados nucleares se envolvam em escaramuças e elas podem ser mortais. Um exemplo histórico disso foram as disputas fronteiriças entre União Soviética e China (1969) e mais recentemente os ataques em Mumbai. Mas nunca estas escaramuças sairam de controle para provocar uma guerra abertamente declarada.
Na Foreign Affairs e em outros lugares você disse que muitos estados se tornam menos agressivos depois de obter o poder disuassório nuclear. Um país que não parece seguir este padrão, no entanto, é a Coreia do Norte. As ações de Pyongyang em anos recentes incluem o afundamento do [navio] Cheonan e os ataques a Yeonpyeong [na Coreia do Sul]. O que impediria o Irã, armado com bombas nucleares, de seguir o mesmo padrão?
É verdade que a Coreia do Norte tem se envolvido em negócios nefastos. Mas é importante ter em mente que não é um rompimento com a tradição. O regime de Kim se engajou em terrorismo e provocações por décadas — você pode se lembrar que a Coreia do Norte foi responsável pelo assassinato de vários ministros da Coreia do Sul em 1968. Assim, é verdade que a Coreia do Norte não se tornou completamente pacífica desde que conseguiu armas nucleares. Mas ao mesmo tempo não penso que se tornou muito mais agressiva. Na verdade, tem sido notavelmente constante em sua tendência de ameaçar a Coreia do Sul.
O objetivo de abolir armas nucleares recebeu uma grande atenção em anos recentes, com alguns formuladores de política alinhados ao realismo dando apoio à ideia. Você se mantém cético. Por que?
A bomba explodiu quando ela era monopólio de um só país
O presidente Obama e vários outros advogam a abolição das armas nucleares e muitos aceitaram este objetivo como desejável e realista. Mesmo considerar o objetivo e contemplá-lo me parecem estranhos. De um lado o mundo conhece as guerras desde tempos imemoriais até agosto de 1945 [quando os Estados Unidos detonaram a bomba de Hiroshima]. Desde então, não houve guerras entre os maiores estados do mundo. A guerra foi relegada a estados periféricos (e, naturalmente, dentro deles). As armas nucleares são as únicas armas promotoras da paz que o mundo já conheceu. Seria estranho para mim advogar a abolição delas, já que tornaram as guerras praticamente impossíveis. Minhas ideias são reforçadas e melhor explicadas no [livro] Spread of Nuclear Weapons, que escrevi com Scott Seagan.
Em recente entrevista a James Fearon, você predisse que o período do mundo unipolar em breve acabaria e apontou a China como o país emergirá como o próximo superpoder. Qual deveria ser a resposta dos Estados Unidos ao crescente poder da China? Você acha que a nova política do governo Obama na Ásia é devida ou os Estados Unidos não deveriam se preocupar demais, dada a estabilidade inerente à bipolaridade e ao fato de que os dois países são poderes nucleares?
Deveríamos nos preocupar, naturalmente, como qualquer país se preocupa quando as relações de poder no mundo mudam. Certamente, os Estados Unidos estão dedicando maior atenção à Ásia. Isso é justificável por vários motivos, inclusive pela crescente importância econômica da Ásia. Não há razão para os Estados Unidos ficarem preocupados indevidamente com a crescente importância da China. A China não pode usar suas armas nucleares para intimidar, não mais que os Estados Unidos. A situação entre os dois grandes poderes é inerentemente estável por esta razão. Entre os Estados Unidos, a China e entre outros grandes poderes, vai haver um extenso período de ajustamento sobre uma série de questões locais (China e Japão, China e o Sudeste da Ásia, demandas da China sobre ilhas, etc.). Mas estas devem ser disputas menores e não devem ser encaradas como perigosas.
Finalmente, qual é sua avaliação geral da política externa do governo Obama? O que, em sua opinião, ele fez certo e onde há necessidade de mudanças?
O governo Obama fez bem ao tentar reduzir a proeminência da dimensão militar na política externa norte-americana. Mas há muito por fazer. Nossos gastos militares não foram reduzidos tanto quanto deveriam ter sido. Os Estados Unidos não enfrentam ameaça militar fundamental e raramente um país esteve nesta posição. Precisamos completar a retirada do Afeganistão. O motivo que nos leva a seguir o exemplo tolo e secular de ficar atolado naquele país me escapa. No Iraque, erramos ao invadir. Por isso apoiei a retirada do Obama. Gostaria de ver o mesmo no Afeganistão o mais rapidamente possível. O governo Obama também adotou uma política mais sistemática em relação ao terrorismo. O governo Bush reagiu com força a um ataque terrorista, mas o terrorismo como ameaça a interesses norte-americanos foi grandemente exagerado nestes anos — houve um exagero absurdo na reação. A reação do governo Bush ao terrorismo não foi surpreendente porque tinhamos tido pouca experiência com o terrorismo internacional. Mas o governo Obama adotou uma política mais equilibrada — um sinal da crescente sabedoria que advém de anos de experiência sobre o significado do fenômeno. Em geral, esse equilíbrio tem sido uma característica da política externa do governo Obama.

Clique aqui para ler a versão original, em inglês:

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

UM TIRO NO CORAÇÃO DO BRASIL


No dia 24 de agosto de 1954, o presidente Getúlio Vargas, acossado por uma violenta campanha da oposição conservadora e dos militares, deu um tiro no coração e tornou-se o primeiro herói trágico da política brasileira. Com o gesto, desarticulou o golpe de Estado de direita que estava em marcha e permitiu a reorganização das forças progressistas.
Em 1930, Getúlio fundou a modernidade brasileira, promovendo, pela “via prussiana”, a revolução burguesa no país, a despeito da própria burguesia. Em seu segundo governo, eleito pelo povo, Getúlio criou o Petrobras e promoveu reformas sociais que garantiram a integração econômica, social e política dos trabalhadores urbanos. Mas parte das classes dominantes, aliadas a poderosos interesses externos, alinhou-se à ala reacionária do Exército e aos políticos da UDN para contrapor-se à ação reformista do Executivo. O próprio PCB, radicalizado desde a cassação de seu registro em 1947, só veio a perceber que levava água ao moinho da reação quando as massas revoltadas com o suicídio saíram às ruas empastelando jornais da oposição e até do partidão. O gesto do presidente adiaria o golpe que viria, finalmente, dez anos depois,em 1964, quando seu herdeiro, João Goulart, estava na presidência da República.
Abaixo, um texto do Mauro Santayana, testemunha dos eventos da época.               
Vargas e a presença do Estado na economia
Por Mauro Santayana
O velório do presidente Getúlio Vargas  
Em 24 de agosto de 1954, os homens de minha geração chegavam à maioridade. Naquele dia, pela manhã, cheguei ao Rio, enviado pelo Diário de Minas, de Belo Horizonte, a fim de cobrir o velório de Vargas e a reação do povo carioca ao suicídio do Presidente. A Presidente Dilma Rousseff era uma menina de seis anos. Não poderia saber o que significava aquele gesto de um homem que mal passara dos 70, e ocupara o centro da vida brasileira naqueles últimos 24 anos.
Carlos Lacerda depois do atentado 
As jornadas anteriores haviam sido enganosas, o que costuma ocorrer na História, desde o episódio famoso da frustrada queda de Richelieu. Os meios de comunicação haviam ampliado o suposto atentado contra Carlos Lacerda – obscuro até hoje – e atribuído a responsabilidade ao Presidente, tentando fazer crer que o Palácio do Governo se transformara em valhacouto de ladrões e assassinos. Houve quase unanimidade contra Getúlio. Quando passei pela Praça 7, em Belo Horizonte, a caminho do aeroporto da Pampulha, entre manifestantes de esquerda, um jovem sindicalista, meu amigo, pedia aos gritos, pelo megafone, a prisão do Presidente. Desci do táxi e lhe dei a notícia, com os avisos de meu pressentimento: dissolvesse o grupo, antes que os trabalhadores, ao saber da morte do Presidente, reagissem na defesa do líder desaparecido.

Durante a viagem ao Rio, que durava hora e meia, organizei minhas idéias. Entendi, em um instante, que a ação coordenada contra Vargas nada tinha a ver com o assassinato de um oficial da Força Aérea, transformado em guarda-costas do jornalista Carlos Lacerda – isso, sim, ato irregular e punível pelos regulamentos  militares. Lacerda, ferido no peito do pé, não permitiu que o revólver que portava fosse periciado pela polícia.   Açulada e acuada pela grande imprensa, a polícia nunca investigou o que realmente houve na Rua Tonelero. 

Vargas fora acossado pelos interesses dos banqueiros e grandes empresários associados ao capital norte-americano. Ao ouvir, pelo rádio, a leitura de sua carta, não tive qualquer dúvida: Getúlio se matara como ato de denúncia, não de renúncia. Morrera em defesa do desenvolvimento soberano de nosso povo. 

Sei que não basta a vontade política do governante para  administrar bem o Estado. Mas uma coisa parece óbvia a quem estuda as relações históricas entre o Estado e a Nação: o Estado existe para buscar a justiça, defender os mais frágeis, uma vez que a igualdade entre todos. Por isso,  algumas medidas anunciadas pelo governo inquietam grande parcela dos brasileiros bem informados. É sempre suspeito que os grandes empresários aplaudam, com alegria, uma decisão do governo. Posso imaginar a euforia dos lobos junto a uma ninhada de cordeiros. Quando os ricos aplaudem, os pobres devem acautelar-se. 

O regime de concessões vem desde o Império. As vantagens oferecidas aos investidores ingleses, no alvorecer da Independência, levaram à Revolução de 1842, chefiada pelo mineiro Teófilo Ottoni e pelos paulistas Feijó e Rafael Tobias de Aguiar, e conhecida como a Revolução do Serro, em  Minas, e de Sorocaba, em  São Paulo. O  Manifesto Revolucionário, divulgado em São João del Rei por Teófilo Ottoni, e assinado por José Feliciano Pinto Coelho, presidente da província rebelde,  é claro em seu nacionalismo, ao denunciar que os estrangeiros ditavam o que devíamos fazer “em nossa própria casa”.

A presidente deve conhecer bem, como estudiosa do tema, o que foi a política econômica de Campos Salles e seu ministro Joaquim Murtinho, em resposta à especulação financeira alucinante do encilhamento. O excessivo liberalismo do governo de Prudente de Moraes e de seu ministro Ruy Barbosa, afundou o Brasil, fazendo crescer absurdamente o serviço da dívida – já histórica –, obrigando Campos Salles (que morreria anos depois, em relativa pobreza) a  negociar, com notório constrangimento, o funding loan com a praça de Londres. O resultado foi desastroso para o Brasil. Os bancos brasileiros quebraram, um banco inglês em sua sucursal brasileira superou o Banco do Brasil em  recursos e operações e, ainda em 1999, a Light iniciava, no Brasil, o sistema de concessões como o conhecemos. O Brasil perdeu, nos dez anos que se seguiram, o caminho de desenvolvimento que vinha seguindo desde 1870.

Durante mais de 50 anos, a energia elétrica, a produção e distribuição de gás e o sistema de comunicações telefônicas no eixo Rio-SP-BH foram controlados pelos estrangeiros. Ao mesmo tempo, os combustíveis se encontravam sob  o controle da Standard Oil. A iluminação dos pobres se fazia com o Kerosene Jacaré, vendido em litros, nas pequenas mercearias dos subúrbios, cujos moradores não podiam pagar pela energia elétrica, escassa e muito cara. O caso das concessões da Light é exemplar: antes do fim do prazo, a empresa, sucateada, foi reestatizada, para, em seguida, ser recuperada pelo governo e “privatizada”. Como se sabe foi adquirida pela EDF, uma estatal francesa, durante o governo de Fernando Henrique. Novamente sucateada, foi preciso que uma estatal brasileira, a Cemig, associada a capitais privados nacionais, a assumisse, para as inversões necessárias à sua recuperação.

Vargas não tinha como se livrar, da noite para a manhã, dessa desgraça, mas iniciou o processo político necessário, ainda no Estado Novo, para conferir ao Estado o controle dos setores estratégicos da economia. Só conseguiu, antes de ser deposto em 1945, criar a CSN e a Vale do Rio Doce. Eleito, retomou o projeto, em  1951 e o confronto com Washington se tornou aberto. O capital americano desembarcara com apetite durante o governo Dutra, na primeira onda de desnacionalização da jovem indústria brasileira. Getúlio, na defesa de nossos interesses, decidiu limitar a remessa de lucros. Embora os banqueiros e as corporações estrangeiras soubessem muito bem como esquivar-se da lei, a decisão foi um pretexto para a articulação do golpe que o levaria à morte.

O Estado pode, e deve, manter sob seu controle estrito os setores estratégicos da economia, como os dos transportes, da energia, do sistema financeiro. Concessões, principalmente abertas aos estrangeiros, em quase todas as situações, são um risco dispensável. O Brasil dispõe hoje de técnicos e de recursos, tanto é assim que o BNDES vai financiar, a juros de mãe, os empreendimentos previstos. Se há escassez de engenheiros especializados, podemos contratá-los no Exterior, assim como podemos comprar os processos tecnológicos fora do país. Uma solução seria a das empresas de economia mista, com controle e maioria de capitais do Estado e a minoria dos investidores nacionais, mediante ações preferenciais.

Por mais caro nos custem, é melhor do que entregar as obras e a operação dos aeroportos, ferrovias e rodovias ao controle estrangeiro. O que nos tem faltado é cuidado e zelo na escolha dos administradores de algumas empresas públicas. Não há diferença entre uma empresa pública e uma empresa privada, a não ser a competência e a lisura de seus administradores. Entre os quadros de que dispomos, há engenheiros militares competentes e nacionalistas, como os que colaboraram com o projeto nacional de Vargas e com as realizações de Juscelino, na chefia e composição dos grupos de trabalho executivo, como o GEIA e o Geipot.

[...]

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

MICHAEL COLLINS: O HOMEM E SUAS CIRCUNSTÂNCIAS


Michael Collins como líder do IRA... 
Morto há 90 anos, Michael Collins (1890-1922) foi um dos fundadores do IRA (Exército Republicano Irlandês) e depois o primeiro chefe de Estado da Irlanda. Ele ficaria famoso por organizar um esquadrão especialmente encarregado de eliminar policiais e militares britânicos na Irlanda; daí sua fama de perigoso terrorista. Já o Blacks and Tans, a unidade de elite do Exército Britânico que aterrorizava os irlandeses – como no Bloody Sunday, em 1920, quando integrantes dessa tropa mataram 14 civis no Croke Park Stadium – jamais ganhou este epíteto. Isso me faz lembrar uma frase de Noam Chomsky (estou citando muito ele ultimamente): “quando alguém pratica o terrorismo contra nós ou contra nossos aliados, isso é terrorismo; mas quando nós ou nossos aliados o praticamos contra outros, talvez um terrorismo muito pior, isso não é terrorismo; é antiterrorismo ou guerra justa”.


Mas o “terrorista” seria o representante dos irlandeses nas negociações de paz com os britânicos em 1921. Foi então que Collins mostrou que não era apenas um líder militar da guerrilha, mas tinha a dimensão política da luta. Sabia que as negociações implicavam ter consciência da correlação de forças e da necessidade de se fazer concessões. O Tratado Anglo-Irlandês foi oficialmente assinado em 6 de dezembro de 1921 e criou o Estado Livre Irlandês, que seria o primeiro passo para uma transição pacífica para a democracia e terminaria com mais de 700 anos de ocupação britânica da ilha. O tratado permitia a criação de um Estado que em tese compreendia toda a ilha, mas estava sujeito à aprovação dos seis condados do Norte, conhecidos como Ustler, de maioria anglicana, que poderiam não querer fazer parte do novo país, majoritariamente católico.

...e chefe de Estado da Irlanda
O novo Estado seria ainda um domínio que, mesmo independente, deveria fazer parte temporariamente da Commonwealth (Comunidade Britânica das Nações), com a chefia de Estado nas mãos do monarca britânico. Mas o controle de fato estaria nas mãos do governo irlandês eleito pela Dáil Éireann (Câmara Baixa). Ainda que não fosse a República sonhada pelos irlandeses, era a “liberdade para conquistar a liberdade”, nas palavras de Collins. Mas ele sabia que o tratado, em especial a partição do território, não seria bem recebido no novo país. “Eu assinei a minha própria sentença de morte”, disse ele ao assinar o documento.

Dublin bombardeada durante a guerra civil de 1922
De fato, o Sinn Féin se dividiu a respeito do tratado e o Tratado foi aprovado por 64 votos a 57. O grupo dissidente, liderado por Eamon De Valera, rompeu com Collins e se rebelou contra a nova ordem. Um governo provisório foi constituído por Collins, que se tornou o primeiro presidente da Irlanda. Em 14 de abril de 1922, um grupo de 200 homens do IRA que eram contra o Tratado ocuparam prédios do governo. Collins, que queria evitar a repressão e a luta fratricida entre antigos camaradas, evitou atacar até junho de 1922, quando os britânicos também começaram a pressioná-lo. 

Estourou então a guerra civil, com combates irrompendo por toda Dublin entre rebeldes do IRA anti-Tratado e as tropas do Governo Provisório. Sob o comando de Collins, as forças do Estado Livre rapidamente reassumiram o controle da capital. Mas Collins seria morto a tiros em Cork numa emboscada preparada por rebeldes, em 22 de agosto de 1922. Sua morte comoveu a Irlanda e consolidou o novo país.

Michael Collins inspirou outros combatentes nacionalistas e revolucionários e é, talvez, um exemplo acabado da máxima de Ortega y Gasset: “O homem é ele e suas circunstâncias”.  

A VELHA TÁTICA MORALISTA DA DIREITA

Carlos Lacerda, governador da Guanabara, ao lado dos golpistas de 1964

A direita brasileira, que nos últimos anos tentou repaginar o discurso moralista de Carlos Lacerda, ficou desmoralizada com os mais recentes escândalos de corrupção que envolveram Demóstenes Torres e José Roberto Arruda – dois de seus quadros mais incensados pela “mídia Casa Grande”. Com isso, agarraram-se com todas as forças ao julgamento do “mensalão” no STF, tentando transformá-lo no “julgamento do século”, como se não houvesse outros escândalos, como a compra de votos para aprovar a reeleição de FHC, a privataria na venda das estatais, o caso Sivam, a pasta Rosa, o mensalão tucano etc. etc. etc.

Ademais, ao contrário do que supõe o moralismo neo-udenista, a corrupção não é um fenômeno individual, nem a política é uma atividade intrinsecamente corrupta. A corrupção é fruto do abuso do poder econômico; segundo o pensador Norberto Bobbio, ela tende a se acentuar com a existência de um sistema representativo imperfeito e com o acesso discricionário de uma oligarquia ao poder decisório. “Quanto mais ameaçada se sentir, tanto mais a elite recorrerá a meios ilegais e à corrupção para se manter no poder”, ensinava o mestre italiano.

Moralidade de um lado só
Paulo Moreira Leite, em seu blog

Meu ponto de vista é que o mensalão não foi apenas caixa 2 para campanhas eleitorais nem apenas um esquema de desvio de recursos públicos. Foi uma combinação de ambos, como sempre acontece em sistemas eleitorais que permitem  ao poder econômico privatizar o poder político com contribuições eleitorais privadas.

Um julgamento justo será aquele capaz de distinguir uma coisa da outra, uma acusação da outra, um réu do outro.
Quem combate o financiamento público de campanha não quer garantir a liberdade de expressão financeira dos eleitores, como, acredite, alguns pensadores do Estado mínimo argumentam por aí e nem  sempre ficam ruborizados.

Quer, sim, garantir a colonização do Estado pelo poder econômico, impedindo que um governo seja produto da equação 1 homem = 1 voto.

É aqui o centro da questão.
Tesoureiros políticos arrecadam para seus candidatos, empresários fazem contribuições clandestinas enquanto executivos que têm posições de mando em empresas do Estado ajudam no desvio. Operadores organizam a arrecadação eleitoral e contam com portas abertas para tocar negócios privados. Fica tudo em família – quando são pessoas com o mesmo sobrenome.

Foi assim no mensalão tucano, também, com o mesmo Marcos Valério, as mesmas agências de publicidade e o mesmo Visanet. Um publicitário paulista  garante pelos filhos que em 2003 participava de reuniões com Marcos Valério para fazer acertos com tucanos e petistas. Era tudo igual, no mesmo endereço, duas fases do mesmo espetáculo.
O mensalão tucano: foi diferente?
Só não houve igualdade na hora de investigar e julgar. Por decisão do mesmo tribunal, acusados pelos mesmos crimes, os mesmos personagens receberam tratamentos diferentes quando vestiam a camisa tucana e quando vestiam a camisa petista. É tão absurdo que deveriam dizer, em voz baixa: “Sou ou não sou?” Ou: “Que rei sou eu?”

Mesmo o mensalão do DEM, que, sob certos aspectos, envolveu momentos de muito mau gosto, foi desmembrado.
Diante da hipocrisia absoluta da legislação eleitoral, sua contrapartida necessária é o discurso moralista, indispensável para dar uma satisfação ao cidadão comum. Os escândalos geram um sentimento de revolta e inconformismo, estimulando  o coro de “pega ladrão!”, estimulado para “dar uma satisfação à sociedade” ou para “dar um basta na impunidade!” Bonito e inócuo. 

Perverso, também.

Até porque é feito sempre de forma seletiva, controlada, por quem tem o poder de escolher os inimigos, uma força que está muito acima de onze juízes. Estes são, acima de tudo, pressionados a andar na linha…

A "Marcha da Família com Deus pela Liberdade": a classe média apoia o golpe
Em 1964, o mais duradouro golpe contra a democracia brasileira em sua história teve como um dos motes ilusórios a eliminação da corrupção. O outro era eliminar a subversão, como nós sabemos. Isso demonstra não só que a corrupção é antiga, mas que a manipulação da denúncia e do escândalo também é. Também lembra que está sempre associada a uma motivação política.

Entre aqueles que se tornaram campeões da moralidade de 64, um número considerável de parlamentares recebeu, um ano e meio antes do golpe, US$ 5 milhões da CIA para tentar emparedar João Goulart no Congresso. Depois do 31 de março, essa turma é que deu posse a Ranieri Mazzilli, alegando que Jango abandonara a presidência embora ele nunca tenha pedido  a renúncia.

Rubens Paiva: assassinado por investigar quem financiou os golpistas
Seis anos depois do golpe, o deputado Rubens Paiva, que liderou a CPI que apurou a distribuição de verbas da CIA e foi cassado logo nos primeiros dias, foi sequestrado e executado por militares que diziam combater a subversão e a corrupção. Não informam sequer o que aconteceu com seu corpo. Está desaparecido e ninguém sabe quem deu a ordem nem quem executou. Segredo dos que combatiam a subversão e a corrupção, você entende.
O alvo era outro. A democracia, a sempre insuportável equação de 1 homem = 1 voto.

Eu acho curioso que a oposição e grande parte da imprensa – nem sempre elas se distinguem, vamos combinar, e recentemente uma executiva dos jornais disse que eram de fato a mesma coisa – tenham assumido a perspectiva de associar, quatro décadas depois, a corrupção com aquelas forças e aquelas ideias que, em 64, se chamavam de subversão.

A coisa pretende ser refinada, embora pratique-se uma antropologia de segunda mão, uma grosseria impar. Não faltam intelectuais para associar Estado forte a maior corrupção, proteção social a paternalismo e distribuição de renda à troca de favores. Ou seja: a simples ideia de bem-estar social, conforme essa visão, já é um meio caminho da corrupção.

Bolsa-Família, claro, é compra de votos. Como o mensalão, ainda que nenhuma das 300 testemunhas ouvidas no inquérito tenha confirmado isso e o próprio calendário das votações desminta uma conexão entre uma coisa e outra. Roberto Jefferson disse, na Policia Federal, que o mensalão era uma “criação mental”, mas a denúncia reafirma que a distribuição de recursos era compra de consciência, era corrupção – você já viu aonde essa turma pretende chegar.

A corrupção dos subversivos é intolerável enquanto a dos amigos de sempre vai para debaixo do tapete.

Desse ponto de vista, eu acho mesmo que o julgamento tem um sentido histórico. Não por ser inédito, mas por ser repetitivo, por representar uma nova tentativa de ajuste de contas. Não é uma farsa, como lembrou Bob Fernandes (...).


A farsa é o contexto.

Veja quantas iniciativas já ocorreram. O desmembramento, que só foi oferecido aos tucanos. O fatiamento, que nunca havia ocorrido num processo penal e que apanhou o revisor de surpresa.

Agora que a mudança de regras garantiu que Cezar Peluso possa votar pelo menos em algumas fases do processo (“é melhor do que nada”, diz o procurador geral) já se coloca uma outra questão: o que acontece se o plenário, reduzido a dez, votar em empate? Valerá a regra histórica, que eu aprendi com uns oito anos de idade, pela qual em dúvida os réus se beneficiam? Ou o presidente Ayres Britto irá votar duas vezes?
E, se, mesmo assim, houver uma minoria de quatro votos, o que acontece? Vai-se aceitar a ideia de que é possível tentar um recurso?

Ali, no arquivo das possibilidades eventuais, surgiu uma conversa do ministro Toffoli, às 2 e meia da manhã, numa festa em Brasília. Já tem sido usada para dar liçãozinha de moral no ministro. No vale-tudo, servirá para criar constrangimento.
Enquanto isso, os visitantes que chegam a Praça dos Três Poderes demonstram mais interesse em tirar foto turística para o Facebook do que em seguir os debates, como revelou reportagem de O Globo. Calma. O julgamento não vai ser tão rápido como se gostaria. Com a cobertura diária no horário nobre, manchetes frequentes, é possível mudar isso…

O golpe de 1964: os militares diziam que iriam lutar contra a corrupção
Minha mãe ria muito de uma vizinha, que dias antes do 31 de março de 64 foi às ruas de São Paulo protestar a favor de Deus, da Família, contra a corrupção e a subversão. Quando essa vizinha descobriu, era um pouco tarde demais e a filha dela já tinha virado base de apoio da guerrilha do PC do B. O diplomata e historiador Moniz Bandeira conta que a CIA trouxe até padre americano para ajudar na organização daqueles protestos.

A  marcha de 64 foi um sucesso, escreveu o embaixador norte-americano Lincoln Gordon, num despacho enviado a seus chefes em Washington, já envolvidos no apoio e nos preparativos do golpe. Mas era uma pena, reparou Gordon, que havia poucos trabalhadores e homens do povo.



segunda-feira, 20 de agosto de 2012

E, NO ENTANTO, É PRECISO CANTAR

Manifestante das Femen detida por policial em Kiev (Ucrânia)
Impressionante a velocidade com que as coisas se transformam e se esvaziam na sociedade do espetáculo – “tudo o que é sólido desmancha no ar”, já dizia o velho Marx. Em 2008 surgiu um grupo feminista na Ucrânia, as Femen, que inventou uma insólita maneira de protestar contra a sociedade machista e patriarcal: fazendo topless em público e pintando o corpo com palavras de ordem. O grupo, que nasceu na capital Kiev, realiza protestos ruidosos contra atos de sexismo, o turismo sexual e a exploração de menores, as agências internacionais de casamento, as religiões organizadas e outros. Volta e meia a imprensa divulga fotos de meninas seminuas do Femen sendo arrastadas por policiais truculentos para dentro dos camburões. O grupo chamou a atenção da mídia e começou a se espalhar pelo mundo, mas no país de origem bateu de frente com a conservadora opinião pública ucraniana. 


Ativista derruba cruz  
O estopim ocorreu na última sexta-feira, dia 17, quando a ativista Inna Shevchenko derrubou uma cruz dedicada a vítimas da fome provocada pela coletivização forçada promovida pelo stalinismo na Ucrânia nos anos 1930. As autoridades fecharam a sede e instauraram um processo contra o grupo – o que deve lhe aumentar a popularidade no exterior.


Sara Winter (à dir.) em manifestação no Masp 
O fenômeno chegou ao Brasil com o nome de Femen Brazil (com “z”).  No final de julho, duas manifestantes vestidas apenas de calcinhas e com palavras de ordem pichadas nos corpos foram ao vão do MASP protestar contra a decisão do Conselho Regional de Medicina (CREMRJ) do Rio contra os partos caseiros. Uma das moças, Sara Winter, de 20 anos, que já tinha se destacado em junho por ter sido  presa em Kiev numa manifestação do grupo durante a Eurocopa, apareceu como a porta-voz da organização no país. A moça, cujo nome verdadeiro é Sara Fernandes Giromini, virou celebridade da noite para o dia. Na semana passada, ela acabaria detida pela polícia paulista depois de participar de um protesto das Femen Brazil contra o governo do presidente russo Vladimir Putin pela prisão e condenação das integrantes do grupo punk Pussy Riots.

Mas os 15 minutos de fama de Sara, parece, não duraram muito. Descobriu-se que, no passado, “Sara Winter” simpatizara com grupos neonazistas e que era muito conservadora e moralista. A ponto de, em 2011 ter publicado um texto nas redes sociais criticando a Marcha das Vadias – movimento que luta contra agressão das mulheres, muitas vezes chamando a atenção com roupas sumárias –, dizendo que o grupo confundia liberdade de expressão com “promiscuidade”. 


Mulheres na "Marcha das Vadias"
Curiosamente, os argumentos de Sara contra as “vadias” são semelhantes aos usados por conservadores contra as Femen: “por que diabos essas meninas não fizeram uma marcha normal, quero dizer, COM ROUPAS NORMAIS, reivindicando o direito das mulheres [...] Mas é claro que é muito mais divertido tornar a coisa polêmica, usar a faceta da liberdade de expressão para andar seminua nas ruas e se encher de um ‘orgulho puta’ (como diz um cartaz aí), daria pra fazer a mesma marcha com outro nome, com roupas e sem orgulho puta, mas aposto que não dariam tantas pessoas quanto na original”, afirmou.

A cruz de ferro tatuada: culto ao nazismo?
Mas teve mais. Em seu perfil no Facebook, Sara Winter listou pessoas e grupos que admirava: Plínio Salgado – líder do Integralismo, cópia tupiniquim do nazi-fascismo dos anos 1930 –; o movimento skinnhead e líderes conservadores como Ronald Reagan. Estranho para uma libertária, não? E a moça também tem uma tatuagem em cima do seio esquerdo que reproduz uma cruz de ferro. Embora seja uma antiga condecoração militar alemã inspirada no símbolo dos Cavaleiros Templários, a cruz de ferro é frequentemente associada – erroneamente, é verdade – a um símbolo nazista. 

De qualquer modo, as simpatizas da jovem por personagens reacionários fica evidente quando se lembra que Sarah Winter é o nome da mais famosa nazista britânica (1870-1944), uma nobre ligada à British Union os Fascists. Questionada, a Sara brasileira disse que aquelas opiniões eram “coisa do passado”, que a cruz de ferro é apenas uma referência aos templários e que o codinome Sara Winter foi uma homenagem à cantora Sara Spring. “Ela é primavera (spring) e eu sou inverno (winter)”, disse. Pode ser. Sara é muito jovem e pode ter mudado de opinião. Mas fica a dúvida...

A superficialidade e a atomização dos movimentos de protestos são a fórmula para que se tornem folclóricos e fracassem. As Femen certamente encontraram uma forma engenhosa de lutar contra o machismo. Mas só agit prop, como se dizia antigamente, não basta. Se movimentos libertários como esse não ampliarem sua base de apoio, conectando-se a movimentos sociais de massa, e não buscarem alguma coerência política, durarão o tempo em que durar a curiosidade pública alimentada pela mídia. Fazer topless para protestar contra o patriarcalismo é simpático num primeiro momento, mas tende a virar folclore no segundo seguinte. Ou seja: não basta fazer ações espetaculares contra o machismo, é preciso romper o isolamento e inserir esses movimentos num processo maior de luta pela ampliação da democracia. Isso significa ligar o combate ao patriarcalismo às lutas contra o racismo, a xenofobia, a exploração do trabalho, o desemprego e, last but not least, em defesa da liberdade de expressão.

Manifestantes do Occupy Wall Street
Mas, não se iludam, isso não acontecerá. Não há mais movimentos de massa organizados capazes de, pelo menos, épater la bourgeoisie. Os movimentos e organizações políticas que conseguiram conter a sanha do capital tiveram suas garras devidamente cortadas.  Tampouco há libertários acreditando que a imaginação tomará o poder. Nos anos 1960, a contracultura hippie criticava a escalada e os crimes do governo americano na Guerra do Vietnã e pregava a subversão dos costumes por meio do amor livre: Make Love, not war.  Na época, era uma mensagem transgressora, mas depois ela foi devidamente domesticada, esvaziada de qualquer sentido subversivo. O sonho acabou, ou melhor, os sonhos acabaram: a revolução foi para as calendas gregas, o reformismo está congelado e a contracultura é apenas uma lembrança de velhos hippies. O mesmo destino aguarda movimentos como o Occupy Wall Street e as Femen. Logo, logo, haverá bonequinhas delas sendo vendidos em shopping centers.

E, no entanto, é preciso cantar...