quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

PARA QUEM SE ESQUECE DE QUE O EGITO FICA NA ÁFRICA

Cheikh Anta Diop
 "Cheikh Anta Diop é, ao lado de W.E.B. Dubois, considerado o maior intelectual negro do século XX, pois seu trabalho serve como fundação para grande parte do que é hoje a produção acadêmica acerca do continente africano. Nasceu no Senegal em 1923 e faleceu em 1986 no mesmo país. Sua importância se deve a mudança de paradigmas que introduziu em termos de metodologias de pesquisa e também por sua obra ter ido além da academia, influenciando a maneira como pessoas de ascendência africana pensavam sobre si próprias. Diop recolocou o Egito no contexto da história africana e por conta deste trabalho foi atacado por inúmeros acadêmicos"

"Em 1822 Jean-François decifrou os hieróglifos egípcios e isso iniciou um intenso interesse, por parte do Ocidente, por aquela região. Um fator inquietante era saber que o Egito era milhares de anos mais velho que a Grécia, e mesmo assim essa é que era considerada berço da civilização".


"Os próprios gregos davam prioridade ao Egito na construção da civilização, e os sábios gregos que foram estudar naquele país a partir de 610 a.C. incluíam Tales, Pitágoras, Sólon, Eudóxio, Anaximandro, Anaxímenes e Platão, para citar apenas alguns. Pitágoras, provavelmente o maior dos filósofos gregos e inventor da palavra filósofo ("amante da sabedoria") passou 22 anos estudando o Egito no século VI a.C. Mas o Egito era um país africano e, no século XIX, o chauvinismo racial europeu estava chegando ao auge. A ideia de que uma nação africana pudesse realmente ter criado a civilização e a repassado aos gregos era simplesmente inadmissível. Depois de 1830 teve início uma campanha sistemática e abrangente de propaganda erudita buscando reforçar a ideia de que, embora o Egito se situasse na África, ele não pertencia à África. Por esse raciocínio, o Egito teria sido criado por uma raça invasora não-africana - provavelmente caucasóide - originária da Ásia, que trouxera a civlização para o vale do rio Nilo"

Charles S. Finch III, in Afrocentricidade - uma abordagem epistemológica inovadora     

Um comentário:

  1. Cláudio, "Todo povo colonizado reflete a alma da métropole". Foi o que disse o médico psiquiatra e escritor negro das Antilhas Frantz Fanon. Não poderia ser diferente no Brasil. A elite brasileira introjeta os valores ocidentais e os dissemina como verdade absoluta. É muito comum pensar a Cleópatra, rainha negra egipcia, como se fosse de fenótipo branco em virtude da atriz Elizabeth Taylor ter protagonizado o filme sobre a mesma; também é comum endereçar o Egito para o oriente médio. Faz parte da "ideologia do embranquecimento". Belo artigo Cláudio, a começar do título.

    ResponderExcluir