quarta-feira, 28 de julho de 2010

AGORA, A GLOBO DEFENDE OS 'INTERESSES NACIONAIS'

A Rede Globo assinou um acordo com a Time-Life em 1962. Recebeu entre US$ 5 e US$ 6 milhões – uma fortuna na época. Com esse capital, foi montada toda a infra-estrutura da TV Globo, e o grupo Time-Life passou a ter influência direta na emissora brasileira, inclusive com um ex-diretor seu, Joseph Wallace, assumindo o cargo de diretor-executivo. Mas o pior não foi isso. O acordo, que se estendeu até 1969, violava o artigo 130 da Constituição de então, que proibia a presença de capital estrangeiro em meios que fossem concessão estatal. Logo que a Globo começou a funcionar, em 1965, a ilegalidade do acordo foi denunciada pelo então governador da Guanabara, o conservador Carlos Lacerda, da UDN. Foi constituída uma Comissão Parlamentar de Inquérito no Congresso Nacional para apurar a denúncia e a CPI concluiu que o acordo era inconstitucional. Mas o então marechal-presidente Castello Branco passou por cima da Carta Magna: baixou um decreto-lei que franqueava a estrangeiros a propriedade e orientação intelectual de empresas jornalísticas.

Agora, a mesma Globo que se beneficiou do capital externo através de um manobra da ditadura que violou a Constituição vem tentando vestir a máscara de “paladina dos interesses nacionais” saindo em defesa do respeito ao limite de participação de capitais externos nas empresas jornalísticas. Pressionada pela Globo, a Associação Nacional dos Jornais (ANJ) pediu ao Ministério Público que investigasse a origem do capital da Empresa Jornalística Econômico S.A. (Ejesa), que edita os jornais Brasil Econômico, O Dia, Meia Hora e Campeão. A alegação é que a Ejesa, que tem capital português, feriria o limite de 30% de capitais estrangeiros que é autorizado no controle dos meios de comunicação no Brasil. Por causa disso, a Ejesa pediu sua desfiliação da Associação Nacional dos Jornais (ANJ) por entender que a entidade defende os interesses das Organizações Globo.

A Globo, de qualquer maneira, pagou sua dívida com a ditadura: noticiário favorável, escândalo do Proconsult para tentar impedir a eleição de Leonel Brizola ao governo do Rio em 1982, boicote da campanha das diretas em 1984, edição do debate entre Fernando Collor e Lula em 1989...

http://www.youtube.com/watch?v=5J4hN1u0_hE&feature=related

Nenhum comentário:

Postar um comentário