quarta-feira, 10 de março de 2010

OS NOVOS SENHORES DE ENGENHO

Os opositores da ação afirmativa estão enfiando os pés pelas mãos. Em vez de discutir politicamente um tema que é polêmico, vêm apelando para argumentos ideológicos dignos de senhores de engenho. No afã de criticar a adoção do sistema de cotas por 68 universidades públicas no país e caracterizá-lo como "racista", o senador Demóstenes Torres (DEM-GO), em audiência pública do STF, responsabilizou os africanos pela escravidão no Brasil - em função do sistema de tráfico de escravos que existia em alguns países da África. Qualquer livro de História sério ensina que o sistema colonial mercantilista das metrópoles europeias foi quem introduziu o trabalho compulsório nas plantations de colônias como o Brasil. Criou-se o que os sociólogos chamam de "sociedade estratificadas racialmente". Mais absurdo ainda foi a afimação de Demóstenes que as relações sexuais entre os fazendeiros brancos e as escravas negras ocorreram por "consenso", valendo-se de Gilberto Freyre. Ora, o autor de Casa Grande e Senzala pode ter romantizado a escravidão diluindo-lhes os conflitos, mas jamais negou a violência das relações entre senhores e escravos: "Não há escravidão sem depravação sexual. É da essência mesma do regime"; "Não eram as negras que iam esfregar-se pelas pernas dos adolescentes louros: estes é que no sul dos Estados Unidos, como nos engenhos de cana do Brasil, os filhos dos senhores, criavam-se desde pequenos para garanhões".

Independentemente de qualquer coisa, os opositores das ações afirmativas deveriam refletir sobre esses dados, vergonhosos para uma nação que aboliu a escravidão há 120 anos:
Dos pobres no Brasil, 33% são negros e 14% são brancos;
Dos 10% mais pobres, 70% são negros e mestiços;
Negros e mestiços recebem metade do salário dos brancos;
Entre as idades de 15 e 18 anos, dois terços dos assassinados são negros;
Na USP, a maior universidade do Brasil, apenas 2% dos alunos são negros.

Como afirmou Joaquim Nabuco, "é preciso não apenas acabar com a escravidão, mas também com a obra da escravidão"

2 comentários:

  1. Impressionante a hipocrisia.
    Parabéns, como não seguir o blog? Ele é muito bom.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, Dea, o seu blog também é ótimo!

    ResponderExcluir