segunda-feira, 16 de agosto de 2010

QUANDO OS VAMPIROS NÃO ERAM UMA FANTASIA DE ADOLESCENTES...

... e estavam muito longe da estética de Hollywood mas muito próximos da catástrofe europeia de 1914 a 1945 


“Será a sombra a pátria de nossa alma?”
Friedrich Hölderlin, Hiperyon


Misticismo e magia - forças obscuras às quais, desde sempre, os alemães se abandonaram com satisfação - tinham florescido em face da morte nos campos de batalha. A hecatombe de jovens precocemente ceifados pareceu alimentar a nostalgia feroz dos sobreviventes. E os fantasmas, que antes haviam povoado o romantismo alemão, se reanimavam tais como as sombras de Hades ao beberem sangue. (Lotte Eisner, A tela demoníaca)




Nosferatu, Uma Sinfonia do Horror (1922, F. W Murnau)
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Nosferatu, o Vampiro da Noite (Werner Herzog, 1979)

Nenhum comentário:

Postar um comentário