sábado, 24 de abril de 2010

A MORTE DE UM NAZISTA PEDÓFILO E AMIGO DE PINOCHET

O mundo ficou melhor hoje com a morte, aos 88 anos, do ex-paramédico nazista Paul Schaefer, preso no Chile desde 2005, condenado a 20 anos de prisão por vários crimes. Depois da guerra, viveu na Alemanha, de onde fugiu acusado de pedofilia. Em 1961 ele fundou no Chile a tenebrosa Colonia Dignidad ou Villa Baviera. Localizada a 380 quilômetros de Santiago, era uma colônia agrícola "religiosa" (batista) e virulentamente anticomunista, composta por três centenas de imigrantes alemães e alguns chilenos, que funcionava à margem das leis do país. Era cercada por arame farpado, holofotes, tinha túneis secretos, armas e munições. Seus integrantes eram submetidos a uma rígida disciplina. Acredita-se que o criminoso de guerra nazista Joseph Mengele tenha passado pelo local nos anos 60. Durante a ditadura do general Augusto Pinochet (1973-1990), a Colonia Dignidad foi usada pela DINA (polícia secreta pinochetista) como centro de detenção e tortura. A colônia, definida pelo ex-presidente chileno Patricio Aylwin como um "Estado dentro do Estado", também colaborou com o departamento de guerra bacteriológica do Exército chileno, segundo o ex-agente da CIA Michael Townley. Schaefer fugiu do Chile em 1997, novamente acusado de pedofilia contra 25 jovens, foi julgado à revelia e condenado por abusos sexuais, tráfico de armas e pela morte de opositores chilenos. Localizado e preso na Argentina em 2005, foi deportado para o Chile, onde cumpria prisão no hospital. Que o diabo o carregue.

Um comentário: