terça-feira, 20 de abril de 2010

COMEÇOU A GUERRA SUJA




"A propaganda jamais apela à razão, mas sempre à emoção e ao instinto"
Joseph Goebbels, ministro da propaganda do III Reich





1) A Globo veiculou uma peça publicitária em comemoração aos 45 anos da empresa com propaganda subliminar do slogan do candidato tucano José Serra, "O Brasil pode mais". No texto lido por atores e jornalistas globais repete-se a palavra "mais": "Todos queremos mais. Educação, saúde, e, claro, amor e paz. Brasil? Muito mais. É a sua escolha que nos satisfaz. É por você que a gente sempre faz mais". E, para terminar, aparece o logo da Globo com um 45 (referência ao aniversário) num tipo similar ao 45 dos tucanos. Desmascarada por blogs, a Globo retirou a peça do ar "para não ser acusada de tendenciosa" e disse que a peça foi feita em novembro passado, "quando não existiam nem candidaturas muito menos slogans". Mas o próprio site da Globo mostra artistas gravando os textos da peça no Projac em abril.

um vídeo interessante faz as conexões:


2) A Veja tentou transformar José Serra em Barack Obama, inclusive "se inspirando" numa capa da Time - a prática de clonar textos e fotos de revistas americanas, verdadeira praga que assola as semanais brasileiras, foi inventada pela revista dos Civita nos anos 80







3) O diretor do Datafolha, Mauro Paulino, afirmou ao site Terra Magazine que, de fato, a pesquisa feita no final de março em que Serra aparece com nove pontos percentuais à frente de Dilma, logo depois de se lançar candidato, tinha um peso desproporcional de eleitores paulistas, porque se tratava de uma pesquisa só sobre intenção de votos para o governo São Paulo. Estranhamente, nenhuma pesquisa sobre eleições paulistas foi publicada. A admissão de Paulino só veio depois de ter sido revelado que, ao contrário do que o Datafolha informou ao TSE, o instituto não fez a seleção de amostras com base no IBGE (censo 2000 e estimativas 2009), dando muito mais peso à região Sudeste, principalmente São Paulo, reduto serrista. E o TSE, que autorizou o PSDB a ter acesso à pesquisa do Sensus que dava Serra e Dilma empatados, será que vai se manifestar?

leia a entrevista de Paulino:
4) O "erramos" da Folha de 11 de abril:
"BRASIL 11.abr. (PÁG. A7): Em parte dos exemplares, foi publicado erroneamente que a pré-candidata do PT à Presidência disse, em evento em São Bernardo no último sábado: 'Eu não fugi da luta e não deixei o Brasil'. A declaração correta, publicada na maior parte dos exemplares, é: “Eu nunca fugi da luta ou me submeti. E, sobretudo, nunca abandonei o barco”.
Isso depois de o jornalão da Barão de Limeira ter repercutido amplamente, por três dias, a declaração falseada, "publicada em parte dos exemplares", inclusive com vários depoimentos de ex-exilados que ficaram possessos com a suposta bravata da candidata. A retratação veio neste erramos minúsculo, para poucos lerem.
Primeiro, teve a matéria da Folha sobre a "terrorista" Dilma Rousseff baseada numa ficha falsa dos órgãos de repressão. Agora, essa manipulação grosseira. Qual será a próxima cartada?

Nenhum comentário:

Postar um comentário