sexta-feira, 23 de abril de 2010

A FORÇA INDOMÁVEL DA NATUREZA


Uma nuvem que os ares escurece
Sobre nossas cabeças aparece.
[...]
Tão temerosa vinha e carregada,
Que pôs nos corações um grande medo;
Bramindo o negro mar, de longe brada
Como se desse em vão nalgum rochedo.
- Ó Potestade, disse, sublimada!
Que ameaço divino, ou que segredo
Este clima e este mar nos apresenta,
Que mor cousa parece que tormenta?" —

[...]
Pois vens ver os segredos escondidos
Da natureza e do úmido elemento,
A nenhum grande humano concedidos
De nobre ou de imortal merecimento,
Ouve os danos de mim, que apercebidos
Estão a teu sobejo atrevimento,
Por todo o largo mar e pela terra,
Que ainda hás de sojugar com dura guerra.
(Luís de Camões, O Gigante Adamastor, em Os Lusíadas)

Nenhum comentário:

Postar um comentário