sexta-feira, 26 de abril de 2013

QUEM AMEAÇA O EQUILÍBRIO DE PODERES


O Congresso Nacional preparava-se para votar um projeto de lei que limita a criação de novos partidos políticos, mas uma liminar do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, congelou sua tramitação até a apreciação do projeto pelo plenário da Corte. No mesmo dia, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou um Projeto de

Emenda Constitucional (PEC) que dá ao Parlamento o poder de rever decisões do STF sobre ações de inconstitucionalidade. O presidente do Senado, Renan Calheiros, classificou a liminar como “invasão” do Poder Judiciário sobre as competências do Poder Legislativo e disse que iria recorrer.       
Bem, o projeto limitando o tempo de TV e o acesso ao Fundo Partidário aos novos partidos se faz necessário, face à proliferação de legendas de aluguel no país. Mas sua votação agora é oportunista, porque vem no exato momento em que líderes de oposição articulam a criação de mais dois partidos, a Rede, de Marina Silva, e o Mobilização Democrática, fusão do PPS com o PMN, com vistas a 2014. No ano passado, quando Gilberto Kassab criou o seu PSD, ele teve as vantagens que hoje se pretende eliminar. Mesmo assim, a votação faz parte do jogo político, mas esse jogo se complica quando quem não tem votos apela para o Poder Judiciário.  
Por causa de ações dessa natureza, o Parlamento vem se mostrando incapaz de cumprir seu papel. O resultado é um processo perigoso de judicialização da política e conseqüente politização do Judiciário. O protagonismo do Supremo chegou a empossar candidatos derrotados e não eleitos (caso do Maranhão) e a definir a fidelidade partidária, o que seria finalidade dos partidos políticos. E, no caso da Ação Penal 570 – o caso do mensalão –, o STF cedeu à pressão da “opinião publicada” e julgou os réus em período eleitoral, ignorando a jurisprudência e o princípio da inocência dos réus até prova em contrário, entregando cabeças ao gosto do “clamor popular”.
E as últimas decisões do STF comprometem a autonomia do Congresso, o que constituiu uma violação flagrante da Constituição de 1988, que garante o equilíbrio de poderes, um dos fundamentos da democracia representativa. Segundo o art. 102 da Carta Magna, o Supremo Tribunal é o “guardião da Constituição”, mas o Congresso Nacional tem poderes, sim, para anular quaisquer decisões, do Executivo e do Judiciário (art. 49). Um Congresso soberano tomando decisões políticas sobre os destinos da nação não é ameaça, mas fundamento da democracia. Atualmente, o que estamos vendo é um poder técnico e não-eleito (o Judiciário) avançando celeremente, com o aplauso da mídia, sobre a competência de um poder democraticamente eleito e soberano (o Legislativo). Quem realmente ameaça a democracia?    
Repetindo o que eu já disse aqui, segundo os clássicos pensadores do Direito (Montesquieu e os Federalistas, por exemplo), o Legislativo pode e deve exercer o controle sobre o Judiciário, a exemplo do que já acontece em relação ao Executivo. Como dizia o filósofo do Direito Norberto Bobbio, “a democracia nasceu com a perspectiva de eliminar para sempre das sociedades humanas o poder invisível e de dar vida a um governo cujas ações deveriam ser desenvolvidas publicamente”.

4 comentários:

  1. Alô Cláudio?. Precisamos de um bom franco atirador aqui na redação, para comentar sobre a eleição do embaixador Roberto Azevedo para a OMC. Duas semanas de ausencia do Breviário?. Se fosse em outras épocas mais sinistras,já iriamos pensar em camburão,purão e pau-de-ararás e outras coisitas mais...
    Professor, receba uma grande abraço daqui do coração da Amazônia.

    ResponderExcluir
  2. Ei amigos?!. Muita estranha esta ausência não anunciada do Professor Cláudio Camargo. Como ainda habitamos um mundo de mortais, solicito aos leitores e admiradores do velho mestre que possuam alguma informação sobre a saúde ou detalhe sobre o paradeiro de Cláudio,que publique aqui ou envie para o meu e-mail edubueres@gmail.com. Dificilmente um homem com o caráter e sólida formação que ele possui - salvo em caso de morte ou grave enfermidade - estaria apartado e deixaria de contribuir com a sua inteligência e perspicácia para nos ajudar, especialmente a juventude, á elucidar o atual momento de revolta nas ruas que passamos. Um forte Abraço para todos!

    ResponderExcluir
  3. Comenta-se em São Paulo que o poster titular deste Blog, Cláudio, havia sofrido um derrame cerebral no início deste ano.Lamento o ocorrido e, Juntamente com a minha família, rezamos para que ele tenha sobrevivido a este infortúnio.

    Maria Eugenia de Santa Inez Bulhões

    ResponderExcluir
  4. Perdoemos pois o claudicante niilismo do senhor Cláudio. Cá entendemos todos, que não esta ele entre outros do além.

    Nuno Setúbal

    Porto-Portugal

    ResponderExcluir