quinta-feira, 18 de abril de 2013

O LOBBY DAS ARMAS DERROTA OBAMA

O presidente Barack Obama assina projetos para controlar armas
O poderoso lobby das armas dos Estados Unidos representado pelo NRA (National Rifle Association) ganhou mais uma. A proposta do presidente Barack Obama de expandir a checagem de compradores de armas, de modo a vedar o acesso a elas por meio da internet a criminosos e doentes mentais, e de proibir a venda de fuzis de assalto e carregadores de alta capacidade não teve votos suficientes e foi derrotada no Senado, onde os democratas têm maioria de um voto. A proposta teve 54 votos favoráveis e 46 contrários; para que a restrição fosse aprovada, seriam necessários 60 votos. Cinco democratas votaram contra o projeto apoiado pelo presidente.

“Este foi um dia bem vergonhoso para Washington”, disse Obama, ecoando o “Dia da Infâmia” de Franklin Roosevelt, em dezembro de 1941, quando os japoneses atacaram a base americana de Pearl Harbour, no Pacífico. “Eles estavam preocupados que o lobby das armas gastasse muito dinheiro retratando-os como contrários à Segunda Emenda”, disse o presidente em referência aos democratas que votaram contra o projeto.  

A votação representou uma derrota fragorosa para Obama, que fez desse tema uma das prioridades de seu segundo mandato depois do massacre na cidade de Newtown, em dezembro último, quando 20 crianças e um adulto foram mortos em uma escola. As pesquisas mostram que cerca entre 80% e 90% da população defendem a restrição proposta pela Casa Branca. Apoiando nesses dados, Obama apelou à mobilização para impedir que a minoria impusesse seus pontos de vista à ampla maioria da população.

Propaganda da NRA comparando limitadores de armas a ditadores
Se aqui no Brasil temos a “bancada da bala”, ela é brincadeira de criança perto da NRA. Fundada em 1871 em Nova York, a NRA teve até hoje oito presidentes e ex-presidentes como membros vitalícios: Ulysses S. Grant, Theodore Roosevelt, William Taft, Dwight Eisenhower, Johnn Kennedy (o único democrata), Richard M. Nixon, Ronald Reagan e George H.W. Bush.
Apesar disso, a NRA não apoiou candidatos presidenciais até 1980, quando fez campanha aberta para Ronald Reagan contra Jimmy Carter. Nas eleições do ano passado, a NRA contribuiu para republicanos e democratas numa proporção de 6 para 1.

Outra propaganda da NRA chamando Obama de "elitista hipócrita"
Os métodos de persuasão da NRA não são primários; ao contrário, alguns são intelectualmente sofisticados. Uma de suas peças publicitárias compara a tentativa do Estado americano de controlar as armas de seus cidadãos a iniciativas de regimes totalitários. Eles lembram que, em 1935, Adolf Hitler se vangloriava de que a Alemanha se tornara a primeira nação civilizada a ter um registro total das armas. O texto subliminar é o seguinte: o registro de armas levou ao Holocausto; os nazistas desarmaram os cidadãos, principalmente judeus, para depois mandá-los para as câmaras de gás.

Obama e suas duas filhas, alvos do NRA
É evidente que comparar controle de armas de regime totalitário com o de uma democracia é pura má-fé. Mas o NRA não fala sozinho: apesar do apoio maciço dos cidadãos à modesta proposta de Obama, é pouco provável que os americanos abandonem seu fascínio pelas armas. Existem no país nada menos que 300 milhões de armas. Um massacre de inocentes, como em Newtown, provoca um surto temporário de indignação nacional. Mas é nuvem passageira. O NRA toca no fundo da alma americana quando chama Obama de “elitista hipócrita” porque agentes armados do serviço secreto protegem suas filhas. “As filhas do presidente são mais importantes do que seus filhos”, provoca uma propaganda da NRA.     
  


O vídeo da NRA que acusa Obama de “elitista hipócrita”


E o video da organização Moms demands Action for Gun Sense in America

2 comentários:

  1. e aqui no BOSTAZIL eu tenho que ficar com uma calibre 32 rossi ano 1976 enferrujada, enquanto nos USA teria acesso armas modernas no Wal Mart , vou entregar nunca minhas armas para ninguém

    Obama é um macaco desgraçado comunista , certidão nascimento falsa é infiltrado pela KGB

    ResponderExcluir
  2. Egraçado: lá, onde é livre a posse de todo tipo de armas, o que assusta alguns idiotas por aqui, mas no entanto, nos Estados Unidos temos 6 assassinatos para cada 100 mil habitantes. Aqui no Bostabrazilis com todas as proibições temos 29 assassinatos para cada 100 mil habitantes.

    ResponderExcluir