segunda-feira, 4 de abril de 2011

QUANDO A ONU FALAVA GROSSO

Houve época em que o secretário-geral 
Dag Hammarskjöld, secretário-geral da ONU 
da ONU tinha voz própria e não era um mero serviçal dos poderosos, como a grande maioria dos que passaram pelo cargo. Há quase 50 anos, em setembro de 1961, morria num acidente aéreo nas selvas do Congo o sueco Dag Hammarskjöld, eleito para o cargo em 1953. Nos oito anos em que ele chefiou a ONU, não teve dúvidas de enfrentar as superpotências para impor o que ele considerava serem “os interesses da comunidade internacional”.

Tropas da ONU em Suez, 1956
Em 1955, por exemplo, Hammarskjöld foi à China e negociou a libertação de 15 pilotos americanos que tinham sido capturados pelos chineses na Guerra da Coreia (1950-1953). Mas seu grande teste ocorreu em outubro de 1956, quando eclodiu a Guerra de Suez. O presidente do Egito, Gamal Abdel Nasser, nacionalizara o Canal de Suez, que era administrado por empresas britânicas e francesas. As duas potências coloniais europeias elaboraram então um plano secreto pelo qual tropas de Israel invadiriam o Egito e uma força anglo-francesa interviria para “restaurar a ordem”. Hammarskjöld se opôs decididamente à operação e ameaçou a França e a Grã-Bretanha com intervenção militar da ONU. É verdade que ele obteve o apoio dos EUA, irritados com a aventura colonialista de seus aliados da Otan. Mas o que permitiu ao secretário-geral agir dessa maneira foi o estabelecimento de uma força independente, a United Nations Emergency Force (UNEF), proposta pelo então chanceler canadense Lester B. Pearson. Essa força permitiu a Hammarskjöld realizar ações militares de emergência sem aprovação prévia do Conselho de Segurança ou da Assembleia Geral. A guerra de Suez foi o canto de cisne do colonialismo europeu, cujo lugar doravante seria ocupado por EUA e URSS.

Nikita Kruchóv na ONU

Em 1960, depois de décadas de dominação, a Bélgica concedeu independência ao Congo Belga. Líder da luta anticolonial, Patrice Lumumba assumiu a chefia do governo em junho. Mas os belgas tinham urdido o plano de ficar com a província de Katanga, rica em petróleo. Com o apoio da metrópole e um exército de mercenários brancos, Moisés Tshombé declarou a independência de Katanga e iniciou uma guerra civil. Hammarskjöld enviou ao Congo uma força da ONU de 20 mil homens para restabelecer a ordem, mas recusou-se a colocá-la sob o comando de Lumumba, como queriam os soviéticos. A recusa provocou a ira do então dirigente soviético Nikita Kruchóv, que protestou batendo um sapato em sua mesa na Assembleia Geral da ONU.

Patrice Lumumba foi deposto e entregue às forças de Tshombé, que o mataram em 17 de janeiro de 1961, com a colaboração de agentes belgas e da CIA. Em fevereiro, a ONU autorizou as Forças de Paz a usar a força militar para deter a guerra civil. Os capacetes azuis atacaram Katanga, o que provocou a fuga de Tshombé, que se refugiou na Rodésia do Norte (atual Zâmbia). No dia 17 de setembro, Hammarskjöld rumou para lá para discutir o cessar-fogo com Tshombé quando seu avião DC-6B caiu pouco depois de decolar.
Massacre em Srebrenica, Bósnia, 1995 

Até hoje não foram encontradas evidências de que o acidente teria sido um atentado, mas a hipótese nunca foi inteiramente descartada. O fato é que, depois de Hammarskjöld, nenhum outro secretário-geral da ONU teve tanta coragem e independência. Depois da sua morte, o então presidente John F. Kennedy disse que se arrependeu de ter se oposto à política da ONU no Congo: “eu compreendo agora que, em comparação a ele, eu sou um pequeno homem. Hammarskjöld é o maior estadista do nosso século”. Seus sucessores foram burocratas medíocres e suservientes como o atual (Ban-Ki-moon) ou um nazista envergonhado como Kurt Waldheim. Nos conflitos no Vietnã, Afeganistão, Líbano, Iraque e Líbia, a ONU foi mera espectadora. E onde interveio, como na Bósnia, não conseguiu evitar massacres como o de Srebrenica (1995), quando bósnios foram massacrados por sérvios em uma zona protegida pela ONU.   

Nenhum comentário:

Postar um comentário