sexta-feira, 14 de setembro de 2012

30 ANOS SEM GRACE



Há 30 anos, na mesma estrada que a imortalizou no cinema em "Ladrão de casaca", morria num acidente automobilístico a princesa consorte de Mônaco Grace Kelly, expressão máxima da loira platinada de Hitchcock, símbolo de elegância e de glamour e matriarca do midiático clã Grimaldi.

Janela Indiscreta
Ao contrário de outras divas do cinema, como Marylin Monroe, Grace não veio da miséria; nasceu bonita e rica na Filadélfia (em 1928), filha de um construtor multimilionário que a matriculou nas melhores escolas do país. No cinema, tudo começou com "Disque M para matar", de Alfred Hitchcock, onde Grace comete um assassinato em legítima defesa com uma tesoura de escritório. Em "Janela indiscreta" Grace contracena com James Stewart, que um acidente transformara num voyeur insaciável – um alter ego do próprio Hitchcock?

Ladrão de Casaca
Mas talvez o filme no qual a atriz mais brilhou tenha sido um que é considerado um clássico menor na filmografia do cineasta: "Ladrão de casaca", trama de suspense que, por outro lado, brilhava como comédia de vaudeville. Com um excelente figurino de Edith Head e um jogo erótico de alta voltagem com Cary Grant aplacado pelos espartilhos da época (era 1955), a aristocrata que Grace interpretou nadava no Mediterrâneo, frequentava bailes de máscaras e conduzia de maneira temerária pelas estradas da Côte D'Azur.

(com informações da agência EFE)


Nenhum comentário:

Postar um comentário