segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

A VOLTA DA NOVILÍNGUA

A Folha chamava o general Pinochet de "presidente"... 
Informa o site Carta Maior que, ao apagar das luzes de 2011, o governo direitista de Sebastián Piñera introduziu sorrateiramente uma mudança nos livros de história do Chile em relação à designação dos “anos de chumbo”, período dominado pelo general Augusto Pinochet. Nos últimos 20 anos, ao menos duas gerações de estudantes chilenos aprenderam que o governo de Pinochet foi uma ditadura, mas, no final de 2010, o governo Piñera decidiu mudar esse conceito pelo de “regime militar”, tido como mais “técnico”. Parece uma mera mudança semântica, mas não é. É uma tentativa ideológica de “higienizar” a sangrenta ditadura militar chilena, emoldurando-a num conceito mais “equilibrado”, segundo os arautos da direita.

O episódio me remete à Folha de S. Paulo, que há tempos cunhou aqui o neologismo “ditabranda” para diferenciar a “nossa” ditadura militar, instalada em 1964, das demais que martirizaram a América Latina nos anos 1960/1980. A justificativa do jornal era que no Brasil o regime dos generais não foi tão extremista quanto o da Argentina, que massacrou cerca de 30 mil cidadãos, ou mesmo o do Chile, que eliminou três mil opositores. No Brasil, “apenas” cerca de 500 pessoas foram assassinadas pela ditadura – isso sem contar os que foram torturados e sobreviveram às sevícias. Como se o caráter discricionário de um regime fosse dado pelo número de vítimas fatais e não pela montagem de uma estrutura de repressão política violenta. O Brasil, aliás, era tão bom na prática de tortura que “exportava” know how para o Chile e Argentina, como mostrou o filme Estado de Sítio, de Costa-Gravas. Mas nada disso interessava à Folha; afinal, ela emprestara veículos para agentes da repressão e, pior, praticamente cedera a Folha da Tarde a “jornalistas” do DOPS, que publicavam “notícias” sobre morte de “terroristas” em confronto com a polícia quando estes ainda estavam sendo barbaramente torturados. Não por acaso, a Folha jamais sofreu censura prévia.

.
...mas Fidel Castro de "ditador"

A prática da Novilíngua (*) na Folha é antiga. Quando eu trabalhava lá como redator de internacional, nos anos 1980, havia uma determinação do Manual de Redação para designar ditadores pelos seus títulos oficiais. Pinochet sempre era tratado como “o presidente Pinochet”, assim como Alfredo Stroessner, do Paraguai, ou “o ex-presidente Médici”, quando se referia ao chefe do governo mais torcionário da ditadura brasileira. Nunca me esqueço o dia em que uma então editora do JB, que fora fazer uma palestra na Folha, saiu-se com uma provocação: “no meu (sic) jornal, ninguém chama Pinochet de ‘presidente’; é ditador mesmo”. Mas o jornalão da Barão de Limeira tinha dois pesos e duas medidas: líderes de países comunistas não eram “presidentes”, mas “dirigentes” – jamais líderes, mesmo que o fossem. E, na medida em que os ditadores de direita deixavam a cena política, a Folha se esqueceu de seu próprio manual e passou a chamar os líderes comunistas, como Fidel Castro, de ditadores.

Definitivamente, as palavras não são inocentes.

(*) Expressão inventada por George Orwell no romance distópico 1984 para designar o idioma fictício criado pelo governo totalitário do Grande Irmão. A Novilíngua se caracteriza não pela criação de novas palavras, mas pela condensação das existentes e/ou pela remoção de alguns de seus sentidos, com o objetivo de restringir o escopo do pensamento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário