quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

O ÚLTIMO HUMANISTA


Com Stéphane Hessel, morto ontem aos 95 anos, desaparece um dos últimos humanistas de esquerda europeus. Há dois anos, ele surpreendeu o mundo ao lançar um manifesto, intitulado Indignai-vos, no qual aludia ao espírito da resistência e à consigna sartriana do engajamento pessoal para conclamar os cidadãos do mundo a protestarem contra a injustiça social, a xenofobia das políticas anti-imigratórias e a crise capitalista global. Esse livreto vendeu mais de quatro milhões de exemplares em 35 países e acompanhou os levantes populares nos países árabes, servindo também de bandeira aos movimentos de protestos dos indignados nos países ocidentais, da Espanha à Grécia e aos Estados Unidos, onde inspirou o movimento Occupy Wall Street. De origem judaica, Hessel era um incansável defensor da causa palestina.

Ele era filho de Franz Hessel e de sua esposa Helen Grund, que inspiraram, junto com o escritor Henri-Pierre Roche, a história de Jules et Jim, levada ao cinema pelo diretor François Truffaut. Nascido em Berlim, mas naturalizado francês desde 1937, Stéphane Kessel fugiu para Londres em 1941 para unir-se ao general Charles de Gaulle e à resistência contra os nazistas. Preso em 1944 pela Gestapo em Paris, foi deportado ao campo de Buchenwald e depois a Dora. Com o fim da guerra, participou na ONU da elaboração da Declaração Universal dos Direitos Humanos, em 1948. Trabalhou muitos anos como diplomata. Na França, juntou-se ao radical-socialista Méndes-France, que se opunha à guerra colonial na Argélia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário