sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

ASTÚCIA DA RAZÃO?

O complexo nuclear de Angra dos Reis

A história do programa nuclear brasileiro parece ser uma daqueles episódios que o filósofo alemão G. W. Hegel denominava “a astúcia da Razão”. Segundo ele, um general ambicioso e sedento de poder, como Julio César, representou as linhas tortas pela qual a Razão realizou a necessária transição histórica da República ao Império Romano. Em relação ao programa nuclear, aconteceu algo parecido. A ditadura pretendia desenvolver a capacidade de o Brasil fabricar bombas atômicas. Não conseguiu, mas o país desenvolveu a capacidade de enriquecimento de urânio – em breve não precisaremos mais exportar commodity e importar urânio enriquecido do Canadá – que permitirá, inclusive, a construção, em parceria com a França, de um submarino de propulsão nuclear até 2020.    
Brasil Nuclear
O Brasil é o único membro dos Brics que jamais construiu um artefato nuclear. Essa escolha tem mais consequências para a trajetória internacional do país do que geralmente se reconhece.
Antes mesmo de a primeira bomba atômica cair sobre o Japão, o Brasil estava atrelado a uma economia política na qual o urânio virou commodity global. Estava também vinculado a redes transnacionais de tecnologia nuclear que moldaram a evolução da ciência no país.
No processo, o Brasil recebeu apoio de governos e empresas da Europa e dos Estados Unidos.
Quando o regime militar fez do átomo um elemento importante de seu projeto modernizador, sabia contar com anuência internacional para ir adiante, mesmo que o programa nuclear contribuísse para uma cultura de segredo e arbítrio.
Tudo mudou em 1974, quando a Índia detonou sua bomba e o mundo reagiu criando regras muito mais intrusivas de não proliferação.
Assim como ocorrera no passado escravocrata, o Brasil nuclear virou pária internacional, amargando sanções e pressão externa.
Na defensiva, o regime em Brasília fincou o pé, levando parte do programa para a clandestinidade.
Documentos agora disponíveis para a pesquisa mostram o trabalho brasileiro para obter peças e conhecimento, urânio enriquecido e recursos para custear a empreitada, numa narrativa de iniciativas diplomáticas que vai da Europa à Ásia, passando pelo Oriente Médio.
A política nuclear da época, marcada pela opacidade, teve resultados mistos.
Por um lado, a burocracia e a competição por recursos escassos entre diversos órgãos geraram enorme desperdício e incompetência, além de contribuir para horríveis acidentes com materiais radioativos. Por outro lado, contudo, as ilhas de excelência no seio do programa conseguiram enriquecer urânio com um mix de tecnologias integradas por cientistas e técnicos brasileiros.
Também houve um desenvolvimento inesperado: em sua resistência conjunta diante do regime global de não proliferação, Brasil e Argentina criaram um sistema capaz de gerenciar desconfianças mútuas.
Não surpreende, portanto, que a adesão brasileira às regras internacionais de não proliferação na década de 1990 gerasse divisões.
Para uns, foi capitulação; para outros, bom senso.
Esse embate não acabou.
Há um novo reator ficando pronto em Angra, uma indústria incipiente de enriquecimento de urânio em Resende e contratos polpudos que poderão levar um dia a um submarino de propulsão nuclear.
Isso ocorre em um contexto no qual as regras globais de não proliferação são reescritas a cada dia.
A princípio, o Brasil deveria estar tranquilo. Sua mensagem simples é que o mundo não se divide apenas entre os que possuem armas atômicas e os que não as tem. Divide-se também entre os que poderiam tê-las, mas escolheram outra coisa.
Contudo, nem sempre esse comportamento é premiado. Nem sempre essa mensagem é entendida.
A animada história do relacionamento brasileiro com a ordem nuclear global ainda está em seus capítulos iniciais.
FONTE: Folha de S. Paulo via Resenha do Exército

Nenhum comentário:

Postar um comentário