quinta-feira, 1 de novembro de 2012

EZRA POUND


Hoje faz 40 anos que morreu o poeta Ezra Pound. Como disse Haroldo de Campos, “se alguém merece encarnar a figura do poeta seminal do nosso século, como Poe no século passado, este é sem dúvida Ezra Pound, com sua  obra de amplo espectro, sua permanente devoção à causa da poesia, sua generosa atividade  em prol de tantos escritores e artistas modernos, como James Joyce, T.S.Eliot, Yeats, Hemingway, Antheil, Gaudier-Brzeska”. “Ele foi para a poesia deste século o que Einstein foi para a física", disse E.E.Cummings, corroborado por Hemingway: "Um poeta deste século que afirme não ter sido influenciado por Ezra Pound merece mais a nossa piedade que a nossa reprovação".

Sim, Pound teve seus pecados. Ele fez propaganda do fascismo na Itália durante a Segunda Guerra Mundial. Acabaria internado por 13 anos num hospital psiquiátrico. Mas sua obra poética está acima de suas opções políticas – como de resto, Borges, Céline, Nelson Rodrigues, entre outros – todos politicamente reacionários, mas artisticamente revolucionários.

Aqui, dois dos poemas de Pound traduzidos por Mário Faustino:

SAUDAÇÃO
Oh geração dos afetados consumados
          e consumadamente deslocados,
Tenho visto pescadores em piqueniques ao sol,
Tenho-os visto, com suas famílias mal-amanhadas,
Tenho visto seus sorrisos transbordantes de dentes
          e escutado seus risos desengraçados.
E eu sou mais feliz que vós,
E eles eram mais felizes do que eu;
E os peixes nadam no lago
          e não possuem nem o que vestir.

(tradução de Mário Faustino) 

SAUDAÇÃO SEGUNDA
Fostes louvados, meus livros,
           porque eu acabara de chegar do interior;
Eu estava atrasado vinte anos
           e por isso encontrastes um público preparado.
Não vos renego,
           Não renegueis vossa progênie.

Aqui estão eles sem rebuscados artifícios,
Aqui estão eles sem nada de arcaico.
Observai a irritação geral:

"Então é isto", dizem eles, "o contra-senso 
            que esperamos dos poetas?"
"Onde está o Pitoresco?"
            "Onde a vertigem da emoção?"
"Não ! O primeiro livro dele era melhor."
            "Pobre Coitado ! perdeu as ilusões."

Ide, pequenas canções nuas e impudentes,
Ide com um pé ligeiro !
(Ou com dois pés ligeiros, se quiserdes !)
Ide e dançai despudoradamente !
Ide com travessuras impertinentes !

Cumprimentai os graves, os indigestos,
Saudai-os pondo a língua para fora.
Aqui estão vossos guisos, vossos confetti.
Ide ! rejuvenescei as coisas !
Rejuvenescei até The Spectator.
          Ide com vaias e assobios !

Dançai a dança do phallus
          contai anedotas de Cibele !
Falai da conduta indecorosa dos Deuses !

Levantai as saias das pudicas,
          falai de seus joelhos e tornozelos.
Mas sobretudo, ide às pessoas práticas -
Dizei-lhes que não trabalhais
          e que viverei eternamente.

(tradução de Mário Faustino)

Nenhum comentário:

Postar um comentário