terça-feira, 20 de março de 2012

ÉTICA DA CONVICÇÃO E ÉTICA DA RESPONSABILIDADE

"O critério da ética da convicção é geralmente usado para julgar as ações individuais, enquanto o critério da ética da responsabilidade se usa ordinariamente para julgar ações de grupo, ou praticadas por um individuo, mas em nome e por conta do próprio grupo, seja ele o povo, a nação, a Igreja, a classe, o partido etc. Poder-se-á também dizer, por outras palavras, que, à diferença entre moral e política, ou entre ética da convicção e ética da responsabilidade, corresponde também à diferente entre ética individual e ética de grupo."

(Norberto Bobbio, Política como ética de grupo, in Dicionário de Política)


"O partidário da ética da responsabilidade, [...] contará com as fraquezas comuns dos homens (pois, como dizia muito procedentemente Fichte, não temos o direito de pressupor a bondade e a perfeição do homem) e entenderá que não pode lançar a ombros alheios as conseqüências previsíveis de suas próprias ações. Dirá, portanto, “essas conseqüências são imputáveis à minha própria ação”.
(Max Weber, Ética da convicção e ética da responsabilidade)

Max Weber
"Não é possível conciliar a ética da convicção e a ética da responsabilidade, assim como não é possível, se jamais se fizer qualquer concessão ao princípio segundo o qual os fins justificam os meios, decretar, em nome da moral, qual o fim que justifica um meio determinado [...] Com efeito, todos esses objetivos que não se conseguem atingir a não ser através da atividade política – onde necessariamente se faz apelo a meios violentos e se acolhem os caminhos da ética da responsabilidade – colocam em perigo a “salvação da alma”.
(Max Weber, idem)



Na ética da convicção seguimos valores ou princípios absolutos – tais como não matar, não roubar, não mentir. Neste caso, a intenção é sempre mais importante do que o resultado concreto das nossas ações. É a ética da moralidade do indivíduo.

Niccolò Machiavelli
Mas a ética da responsabilidade, estabelecida por Maquiavel e aprimorada por Max Weber, leva em consideração as conseqüências dos atos dos agentes, geralmente políticos. É por isso que, em política, as boas intenções não justificam o fracasso. Daí a se dizer, em tom de blague, que “de boas intenções, o inferno está cheio”. A subjetividade pouco importa, mas sim a aparência externa dos atos (“Não basta a mulher de César ser honesta; é preciso parecer honesta). Não há, nessa ética, desculpa para o fracasso “Mais do que um crime, foi um erro”, dizia Talleyrand.

Quem não entende a ética da responsabilidade não pode entender a ação política. Partidos na oposição frequentemente fingem que ignoram essa realidade e fazem uso de um discurso calcado em uma ética de convicção ou de valores. Uma vez no poder, são obrigados a se adequar à realidade e a abandonar o discurso da convicção.  


Para a ética da responsabilidade, maquiavélica ou weberiana, serão morais as ações que forem úteis à comunidade, e imorais aquelas que a prejudicam, visando apenas interesses particulares.

15 comentários:

  1. Nao entendi nada e tambem nao me ajudou em nada e ainda tirei zero no trabalho ,nem vou pesquisar mais nesse site.Ui

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pare pessoa esse site é muito bom e interesante gostei e vc nao fale isso ok.

      Excluir
    2. Não deve ter entendido por que não deve ter noção nem do que se está falando.

      Excluir
    3. desculpe, mas não agregou muito

      Excluir
  2. Adorei! Me ajudou para a Faculdade! bjs

    ResponderExcluir
  3. Deu pra tirar minhas dúvidas.

    ResponderExcluir
  4. A ética da convicção não tem responsabilidades coletivas é apenas circunstante ao indivíduo,só isso. Só vale pro sujeito da ação.

    ResponderExcluir
  5. Gostei. O texto é bem útil, principalmente quando o autor cita algo que todos conhecemos:"partidos na oposição, frequentemente, fingem que ignoram essa realidade...", ou seja, a ética da responsabilidade.
    Parabéns.

    ResponderExcluir
  6. Pode parecer contrastante,mas, o indivíduo representando somente a sí próprio lança mão da ética da convicção. Já, portando uma procuração, coletiva, ou não,esse mesmo indivíduo pode se ver compelido a agir no estreito caminho da ética da responsabilidade.
    Pergunta: as pessoas, convenientemente, mudam ou já sao portadoras dessa dualidade?

    ResponderExcluir
  7. Pode parecer contrastante,mas, o indivíduo representando somente a sí próprio lança mão da ética da convicção. Já, portando uma procuração, coletiva, ou não,esse mesmo indivíduo pode se ver compelido a agir no estreito caminho da ética da responsabilidade.
    Pergunta: as pessoas, convenientemente, mudam ou já sao portadoras dessa dualidade?

    ResponderExcluir
  8. Pode parecer contrastante,mas, o indivíduo representando somente a sí próprio lança mão da ética da convicção. Já, portando uma procuração, coletiva, ou não,esse mesmo indivíduo pode se ver compelido a agir no estreito caminho da ética da responsabilidade.
    Pergunta: as pessoas, convenientemente, mudam ou já sao portadoras dessa dualidade?

    ResponderExcluir
  9. Pode parecer contrastante,mas, o indivíduo representando somente a sí próprio lança mão da ética da convicção. Já, portando uma procuração, coletiva, ou não,esse mesmo indivíduo pode se ver compelido a agir no estreito caminho da ética da responsabilidade.
    Pergunta: as pessoas, convenientemente, mudam ou já sao portadoras dessa dualidade?

    ResponderExcluir